"Os brasileiros é que têm de falar sobre prostituição, não eu", afirma Kangamba sobre processo no Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

27 de novembro de 2014

O general Bento dos Santos Kangamba diz não ter nada a ver com o suposto tráfico de brasileiras para prostituição em Angola, África do Sul ou outros países e afirma que, são "os brasileiros que têm de explicar", não ele.

Em entrevista à VOA, Kangamba reitera não ter nada a ver com o caso, garantindo que nunca foi ao Brasil e que não está impedido de viajar para nenhum lugar porque nenhum tribunal o acusou "em nenhum lugar".

Na entrevista, que aqui publicamos na íntegra, o general e empresário afirma também estar disposto a ir a Portugal responder na justiça caso for intimado o que nunca aconteceu e desmente todas as acusações vindas a público.

Bento Kangamba não está a ser perseguido. Kangamba reiterou ter apenas uma casa e um apartamento em Portugal, onde foi encontrado um milhão e 700 mil dólares guardados, "o que não é crime".

"Kangamba é uma marca", reiterou o empresário que afirma não ter nada a esconder nem a justificar porque não recebe dinheiro do Estado. "Não sou bandido", afirma o general, que justifica as acusações contra ele com interesses de pessoas que querem atacar o Presidente da República José Eduardo dos Santos.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati