Tailandeses lutam por detalhes após 18 mortos no conflito Hamas e Israel

Fonte: Wikinotícias

11 de outubro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Parentes de tailandeses sequestrados ou mortos pelo conflito entre Israel e Hamas passaram os dias reunindo detalhes das redes sociais sobre o que aconteceu com seus entes queridos. A Tailândia está a emergir como uma das nações com mais cidadãos afetados.

Se estima que dezoito tailandeses tenham morrido na violência, disse o Ministério das Relações Exteriores da Tailândia nesta terça-feira, e outros 11 seriam mantidos como reféns pelo Hamas.

Mas o ministério disse que os números não foram confirmados, com a Embaixada de Israel em Bangkok dizendo que uma contagem completa não é imediatamente possível, dadas as operações militares em curso.

Estima-se que 30 mil tailandeses trabalhem em Israel, muitos deles em quintas perto da fronteira com Gaza, onde podem ganhar mais de mil dólares por mês, várias vezes mais do que os salários no nordeste da Tailândia.

“Quero assegurar ao povo tailandês que Israel está empenhado em fazer tudo o que estiver ao seu alcance para proteger os trabalhadores tailandeses no nosso país”, disse Orna Sagiv, embaixadora de Israel na Tailândia, numa publicação no Facebook na segunda-feira. “Fique tranquilo, eles receberão o mesmo tratamento e proteção que todas as pessoas em Israel, sejam israelenses ou estrangeiros.”

As famílias devastadas lutam para encontrar informações sobre o paradeiro dos seus familiares, confiando em vez disso em vídeos compartilhados no Facebook e no TikTok por colegas tailandeses – ou pelos militantes que os atacaram.

“Não consigo respirar, não consigo dormir”, disse Piyanus Phujuttu, 27 anos, cujos familiares acreditam ter visto o seu primo, Khomkrit Chombua, sendo levado para a Faixa de Gaza por militantes no sábado num vídeo nas redes sociais.

“As autoridades tailandesas disseram-me que iriam falar com o governo israelense por mim e a embaixada israelita na Tailândia disse-me que tinham de limpar a área primeiro antes de iniciar a busca - eles têm acompanhado a situação, mas não confirmaram o paradeiro do meu primo, nem o seu destino”, disse ela.

Em declarações à televisão tailandesa, Suda Thepgaew disse acreditar que o seu marido foi um dos seis tailandeses mortos a tiro quando dezenas de militantes atacaram o dormitório dos trabalhadores perto de Gaza.

"Acabei de falar com ele no sábado e estava tudo bem, estávamos rindo e de repente houve tiros, ataques de mísseis e a conexão foi perdida…”, relatou.

Separadamente, a mãe visivelmente abalada de um trabalhador de uma fazenda de bananas de Kalasin, no norte da Tailândia, falou sobre seu filho, Somkuan Pansa-ard, que foi morto a tiros no kibutz Nahal Oz, em Israel. Noopa Pansa-ard segurava um retrato de seu filho enquanto dizia aos repórteres que havia tentado persuadi-lo a permanecer na Tailândia. Ela disse que seu filho tinha um contrato de cinco anos em Israel, enviando para casa quase US$ 2 mil por mês para sua família.

“Eu disse a ele que não queria o dinheiro, só queria que ele estivesse seguro. Eu estava apenas dizendo a ele o quanto sentia falta dele”, disse Noopa Pansa-ard sobre sua última ligação com o filho.

A Tailândia está entre as maiores fontes de trabalhadores migrantes para Israel, com o Ministério do Trabalho tailandês afirmando que a maioria está empregada como trabalhadores agrícolas. Cerca de 7.000 também podem estar trabalhando ilegalmente, acrescentou o ministério, levantando receios pela sua segurança. Apenas Taiwan e a Coreia do Sul têm mais trabalhadores tailandeses.

O governo tailandês promete evacuar todos os seus cidadãos.

Quase 4.000 pessoas registaram-se para partir à medida que a situação se torna cada vez mais volátil, com o primeiro voo de regresso à Tailândia previsto para quinta-feira, disse Kanchana Patarachok, porta-voz do ministério, numa conferência de imprensa na terça-feira.

Fontes