Scholz ao Japão: Alemanha busca estreitar laços com países do Indo-Pacífico

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

30 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O chanceler alemão Olaf Scholz disse em Tóquio na quinta-feira que a Alemanha quer fortalecer os laços com países da região do Indo-Pacífico que compartilham os mesmos valores e trabalham juntos para acabar com a “agressão da Rússia contra a Ucrânia.”

“Minha visita é um sinal político claro de que a Alemanha e a UE continuarão e fortalecerão seu envolvimento com o Indo-Pacífico”, disse Scholz após uma reunião com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida.

Kishida disse que ele e Scholz concordaram que, como membros do G7, eles têm a responsabilidade de trabalhar juntos para acabar com a crise e restaurar a paz, a estabilidade e a ordem internacional o mais rápido possível.

“A crise da Ucrânia abalou as bases da ordem internacional não apenas na Europa, mas também na Ásia. Qualquer tentativa de mudar o status quo, especialmente no leste da Ásia, deve ser evitada”, disse Kishida em entrevista coletiva conjunta.

“Se não deixarmos claro (para a Rússia) que essa mudança unilateral do status quo pela força e imprudência é cara e enviará a mensagem errada para a Ásia”, disse ele.

Esta é a primeira visita de Scholz a Tóquio como primeiro-ministro. Ele disse que tanto a Alemanha quanto o Japão são defensores da “ordem internacional baseada em regras”, dos princípios da Carta da ONU e dos direitos humanos universais. Ele disse que também estava vindo para o Japão porque Tóquio sucederia a Alemanha como a presidência rotativa do G7.

O Japão se juntou a outras nações do G7 na imposição de sanções à Rússia.

O Japão também forneceu à Ucrânia equipamentos de defesa não letais, uma exceção à sua política de proibir a exportação de materiais militares para países em conflito.

A Alemanha inicialmente se recusou a enviar quaisquer armas ofensivas para a Ucrânia e, posteriormente, recusou-se a enviar equipamentos pesados, como veículos blindados, para a Ucrânia.

Sob pressão de aliados domésticos e internacionais, o governo Scholz recentemente reverteu essa política, concordando em enviar armas ofensivas para a Ucrânia, permitindo que a Ucrânia comprasse armas alemãs e apoiando uma troca de armas com aliados que então enviariam equipamentos pesados para a Ucrânia.

Fumio Kishida disse que o Japão espera trabalhar em estreita colaboração com a Alemanha como parceiro estratégico em “vários desafios enfrentados pela comunidade internacional, incluindo lidar com a China.”

Scholz disse que a Alemanha e o Japão também concordaram em fortalecer a cooperação econômica em áreas como tecnologia 5G e segurança econômica.

Fontes