Saltar para o conteúdo

O comércio informal é uma resposta à crise económica na Argentina?

Fonte: Wikinotícias

4 de maio de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

Em plena crise económica que assola a Argentina, o comércio ambulante parece posicionar-se como uma opção tanto para quem procura poupar como para quem necessita de gerar rendimentos num contexto de inflação premente e de aumento da pobreza.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec), a inflação registrada em março de 2024 atingiu 11%, elevando a taxa interanual para 287,9%, o que mantém o país sul-americano no topo dos países com maior inflação no mundo, superando o Líbano e a Venezuela.

Este aumento dos preços impactou particularmente sectores vitais como a educação, as comunicações e os serviços domésticos básicos, colocando-os no topo dos índices de aumento de preços. Enquanto a alimentação ocupa o sétimo lugar no ranking de março.

Para medir a magnitude do desafio econômico que os argentinos enfrentam, basta considerar que, a partir de abril de 2024, a cesta básica total, que inclui alimentação, transporte, vestuário, educação e saúde, atinge a cifra de 773.385 pesos argentinos (880 dólares) de acordo com o Indec. No entanto, a cesta básica total média das famílias é de US$ 347.082 pesos argentinos (395 dólares), de acordo com o relatório mais recente.

Este panorama coloca grande parte da população em situação de vulnerabilidade, com 12,3 milhões de pessoas vivendo na pobreza, o que representa 41,7% da população total, e 3,5 milhões de argentinos em situação de indigência (11,9%).

O comércio ambulante e o ressurgimento do ‘escambo’ diante do contexto econômico da nação sul-americana surgem como alternativas tanto para os consumidores quanto como opção de geração de renda.

Para muchos ciudadanos, el comercio ambulante se presenta como una opción para adquirir productos de segunda o tercera mano a precios más accesibles, e incluso, para asegurar el acceso a alimentos a bajo costo. Por otro lado, para aquellos que buscan generar ingresos, el comercio ambulante se convierte en una opción de trabajo no registrado en un mercado laboral cada vez más complejo.

A pesar de un aumento promedio de los salarios del 14,4% en febrero de 2024, tanto en el sector privado como en el público, la tasa de desempleo es del 5,7%, con 0,8 millones de personas activamente buscando empleo, según cifras del cuarto trimestre de 2023, difundidas por el Indec.

Fonte[editar | editar código-fonte]