Mais de 50 jornalistas mortos durante a guerra Israel-Hamas

Fonte: Wikinotícias

23 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Centenas de pessoas reuniram-se quarta-feira em Beirute para prestar homenagem a dois jornalistas mortos num ataque aéreo israelense no sul do Líbano esta semana. Farah Omar e Rabih al-Maamari, que trabalhavam para a emissora libanesa Al-Mayadeen, estão entre os mais de 50 jornalistas mortos na região.

Ao todo, Israel disse que 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 240 sequestrados no ataque. Autoridades de saúde de Gaza dizem que mais de 12 mil palestinos, incluindo pelo menos 5 mil crianças, foram mortos na ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza.

Pelo menos 53 jornalistas estavam entre as vítimas, de acordo com o Comitê para a Proteção dos Jornalistas ou CPJ. Destes, 46 são palestinianos, quatro israelitas e três libaneses. O CPJ descreveu o primeiro mês da guerra como o mais mortífero para os jornalistas desde que começou a documentar as mortes em 1992.

Entre as vítimas da mídia está Bilal Jadallah, que era diretor do grupo regional de liberdade de mídia Press House-Palestine. Jadallah morreu no domingo quando um ataque atingiu seu veículo. Poucos dias antes, o seu colega Ahmed Fatima, também morreu.

O CPJ prestou homenagem a Jadallah. “A morte de [Jadallah] deixa um buraco no panorama mediático em Gaza, onde os jornalistas correm grave perigo enquanto cobrem a guerra que ceifou a vida de dezenas dos seus colegas”, disse Sherif Mansour, que supervisiona a investigação do CPJ sobre o Oriente Médio.

O Al-Mayadeen acusou Israel de ter como alvo a equipe de notícias, e o primeiro-ministro interino do Líbano, Najib Mikati, classificou as mortes como um “assassinato”.

A Reuters citou os militares de Israel dizendo que estão "cientes de uma reclamação sobre jornalistas que foram mortos como resultado do fogo [do exército israelense]… Esta é uma área com hostilidades ativas, onde ocorrem trocas de tiros. Presença na área é perigosa."

Fontes[editar | editar código-fonte]