Kiev sofre novo ataque de drones da Rússia

Fonte: Wikinotícias

25 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Kiev foi abalada por um ataque massivo de drones na manhã de sábado. Cinco pessoas, incluindo uma criança, ficaram feridas, de acordo com a postagem do prefeito Vitali Klitschko no Telegram.

A Força Aérea da Ucrânia disse que esse foi o maior ataque de drones desde o início da invasão russa.

O Ministério da Defesa britânico disse no sábado, no seu relatório diário sobre a invasão, que a capacidade da Frota Russa do Mar Negro de recarregar navios com mísseis de cruzeiro na sua base de Novorossiysk será "um fator significativo" na sua eficácia. A frota tem tradicionalmente recarregado em Sebastopol, mas a instalação da Crimeia enfrenta um risco crescente de ser atingida por ataques ucranianos de longo alcance.

A atualização da inteligência britânica disse que Novorossiysk seria um local alternativo melhor, mas essa mudança exigiria a realocação e também novos processos de entrega, armazenamento, manuseio e carregamento.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse na sexta-feira que seu país buscava "três vitórias" de seus aliados ocidentais, incluindo a aprovação de dois pacotes de ajuda militar - pelos Estados Unidos e pela União Europeia - e o início formal das negociações para ingressar no bloco europeu.

"Precisamos de três vitórias. A primeira é a vitória com o Congresso dos EUA. É um desafio, não é fácil, mas a Ucrânia está fazendo tudo", disse Zelenskyy em entrevista coletiva em Kiev. Diversos legisladores afirmaram ser contra fornecer mais dinheiro para a Ucrânia.

Zelenskyy disse que a segunda “vitória” necessária é que “precisamos da ajuda da UE no pacote de 50 bilhões de euros” e “a terceira é abrir um diálogo sobre a nossa futura adesão”. A ajuda da UE não foi aprovado e enfrenta oposição da Hungria. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, também disse ser contra uma adesão.

Zelenskyy fez os comentários numa conferência de imprensa conjunta em Kiev com o presidente da Letônia, Edgars Rinkevics.

Fontes[editar | editar código-fonte]