Saltar para o conteúdo

Joe Biden recebe avaliações mais positivas em todo o mundo do que Donald Trump

Fonte: Wikinotícias

11 de junho de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Donald Trump

Novos dados de pesquisas do Pew Research Center mostram que o presidente dos EUA, Joe Biden, recebeu avaliações mais positivas em todo o mundo do que o ex-presidente Donald Trump.

Realizada de 5 de janeiro a 21 de maio, uma pesquisa com 40.566 pessoas em 34 países – sem incluir os Estados Unidos – mostrou uma mediana de 43% de confiança de que Biden “faria a coisa certa no mundo”, em comparação com 28% de Trump.

Embora as pessoas inquiridas estivessem mais confiantes em Biden do que em Trump em 24 países, o antigo presidente assumiu a liderança na Hungria e na Tunísia, embora não tenha havido diferença significativa nos restantes oito países. Ambos os homens receberam alguns dos mais altos índices de confiança nas Filipinas, com Biden marcando 77% e Trump marcando 68%.

No entanto, as classificações de Biden deterioraram-se desde o ano passado. Quatorze dos 21 países deram a Biden um índice de confiança mais baixo este ano, em comparação com 2023.

Algumas das suas críticas mais negativas envolveram a guerra Israel-Hamas em Gaza. Os 34 países produziram uma taxa média de desaprovação de 57% na forma como Biden lidou com a guerra. Segundo o Pew, a pesquisa foi realizada antes de Biden anunciar sua proposta para acabar com a guerra.

Os dados também mostram que os homens eram mais propensos do que as mulheres a expressar confiança em Trump em vários dos países pesquisados. Mas, observa o relatório, “as mulheres são frequentemente menos propensas do que os homens a responder a esta pergunta”.

A tendência descendente de ambas as figuras políticas parece estar em sintonia com o declínio da confiança nos EUA como uma democracia exemplar.

Em todos os países inquiridos, cerca de quatro em cada 10 inquiridos acreditam que, embora os EUA já tenham sido um exemplo de democracia a nível mundial, já não o são, afirma o relatório.