Israel se prepara para quinta eleição em três anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

30 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Israel está a caminho de novas eleições pela quinta vez em três anos, depois que o parlamento votou por 92 a 0 para se dissolver e o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett renunciou. O ex-parceiro de coalizão de Bennett, Yair Lapid, deve assumir o cargo de primeiro-ministro interino até as eleições de 1º de novembro.

Bennett, parecendo emocionado, entregou o poder a Lapid, em uma cerimônia no gabinete do primeiro-ministro.

“Estou lhe passando o bastão sagrado e a responsabilidade pelo Estado de Israel. Espero que você o proteja e que Deus o proteja”, disse Bennett.

Lapid disse que fará tudo o que puder para garantir que o Estado de Israel permaneça judeu e democrático.

Antes da cerimônia, Lapid visitou o Memorial do Holocausto de Israel para homenagear seu falecido pai, um sobrevivente do Holocausto. Em um comunicado, Lapid disse que prometeu ao pai que sempre manterá Israel forte e capaz de se defender e proteger seus filhos.

O governo cessante era uma coalizão de oito partidos que incluía partidos da direita e da esquerda. Pela primeira vez na história de Israel, incluiu um partido árabe – o Raam de quatro lugares liderado por Mansour Abbas. Várias semanas atrás, Bennett perdeu sua estreita maioria na coalizão quando dois legisladores linha-dura desertaram, impossibilitando o governo.

Israel agora se dirige para sua quinta eleição em três anos. O principal adversário de Lapid será o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Seu partido de direita Likud é o maior partido do Knesset, o parlamento de Israel, mas ele não conseguiu formar uma coalizão. Ele também está sendo julgado por várias acusações de corrupção.

Netanyahu mostrou que pretende fazer uma campanha negativa em sua reação à dispersão do Knesset.

Ele disse que o governo Bennett falhou e que era uma combinação de falsa direita e esquerda radical.

A turbulência política ocorre apenas algumas semanas antes de o presidente dos EUA, Joe Biden, visitar Israel e a Arábia Saudita para conversas sobre como melhorar a segurança regional.

Analistas israelenses dizem que Lapid não deve tomar nenhuma decisão importante sobre o Irã ou outras questões. Mas Israel será pego em mais uma campanha eleitoral, o que pode tornar o progresso em uma aliança regional de defesa mais difícil.

Fontes