Israel e Hamas libertam um grupo de reféns no primeiro dia de trégua

Fonte: Wikinotícias
Equipe resgata corpos em meio aos escombros

25 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Militantes do Hamas libertaram esta sexta-feira um primeiro grupo de reféns no âmbito de um acordo de trégua que começou ao início da manhã, incluindo 13 israelenses que estiveram detidos durante quase sete semanas, informaram as autoridades.

Doze tailandeses também foram libertados, segundo a primeira-ministra da Tailândia, Srettha Thavisin. A libertação do grupo de tailandeses não havia sido anunciada anteriormente como um dos termos da troca de prisioneiros.

No total, 50 cativos serão libertados durante a trégua de quatro dias. Israel libertará 150 palestinos dentro desse prazo como parte do acordo, 39 deles nesta sexta-feira.

Um grupo de reféns em Gaza foi transferido para a Cruz Vermelha na sexta-feira e dirigia-se para a passagem da fronteira com o Egito. A Cruz Vermelha Internacional confirmou que as suas equipes iniciaram uma operação para facilitar transferência de reféns da Faixa de Gaza e de prisioneiros palestinos para a Cisjordânia.

“A profunda dor das famílias separadas dos seus entes queridos é indescritível. Estamos aliviados por alguns estarem reunidos depois de uma longa agonia”, disse Fabrizio Carboni, diretor regional da Cruz Vermelha.

A trégua acordada entre Israel e o Hamas entrou em vigor esta sexta-feira, às 7 horas (local), na primeira trégua em 48 dias de conflito que devastou o enclave palestino, mas ambos os lados alertaram que a guerra estava longe de terminar.

Muitos palestinos alegres mas cautelosos saíram de abrigos improvisados ​​na sexta-feira, no início do cessar-fogo de quatro dias em Gaza, para iniciar a longa viagem de regresso às suas casas.

Por exemplo, na cidade de Khan Younis, no sul, que acolheu milhares de famílias deslocadas, incluindo as do norte de Gaza, fortemente bombardeada, as ruas estavam cheias de pessoas em movimento.

Centenas de pessoas dirigiam-se para norte, apesar de Israel ter espalhado panfletos alertando-os para não regressarem ao local descrito como ainda uma zona de guerra perigosa.

Fontes[editar | editar código-fonte]