Saltar para o conteúdo

Grã-Bretanha e Alemanha pedem ao Hamas que liberte reféns

Fonte: Wikinotícias

23 de abril de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Diplomatas ocidentais pediram na terça-feira que o Hamas libertasse os restantes reféns que mantém na Faixa de Gaza, ao completarem 200 dias desde o ataque do Hamas a Israel.

“Há 200 dias, o Hamas realizou o ataque mais mortal ao povo judeu desde o Holocausto”, disse o secretário dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron, no X. “200 dias depois, os reféns permanecem em cativeiro e os seus entes queridos continuam a enfrentar um sofrimento inimaginável”.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse: "Enquanto os reféns não estiverem livres, não desistiremos. Somente quando eles estiverem em casa a paz terá uma chance."

O Hamas atacou Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo 250 reféns, de acordo com os registros israelenses. Israel diz que os militantes ainda mantêm cerca de 100 prisioneiros e os restos mortais de mais de 30 outros.

A resposta de Israel, uma campanha militar que afirma ter como objectivo eliminar o Hamas e garantir que o grupo terrorista designado pelos EUA não possa realizar um ataque futuro, matou pelo menos 34.183 palestinianos e feriu mais de 77.000 outros, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. O ministério afirma que mulheres e crianças representam dois terços dos mortos.

Os Estados Unidos disseram na segunda-feira que o Hamas não concordou com uma “proposta muito significativa que estava sobre a mesa” para a suspensão dos combates, a libertação de reféns detidos em Gaza, a libertação de prisioneiros palestinos detidos por Israel e um aumento na ajuda humanitária. aos civis em Gaza.

O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, disse aos repórteres que, nas últimas semanas, Israel avançou um pouco para atender às exigências do Hamas nas negociações, apenas para que o Hamas mudasse essas exigências.

“São necessários dois para chegar a um acordo, e neste momento o Hamas sinalizou que não quer um acordo”, disse Miller.

Fonte[editar | editar código-fonte]