Ex-primeiro-ministro do Paquistão sobrevive a 'tentativa de assassinato'

Localização do Paquistão
Localização do Paquistão
Localização do Paquistão

4 de novembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Imran Khan, ex-primeiro-ministro do Paquistão, foi ferido em uma aparente tentativa de assassinato na quinta-feira, enquanto liderava sua marcha antigovernamental em Islamabad.

O líder populista de 70 anos do partido de oposição Tehreek-e-Insaf (PTI) foi atingido por pelo menos uma bala na perna direita, confirmou seu assessor, Rauf Hassan.

O ataque na cidade de Wazirabad, província central de Punjab, deixou pelo menos uma pessoa morta e 14 outras feridas, incluindo o ex-primeiro-ministro.

Khan foi transportado para um hospital em Lahore, capital do Punjab, a cerca de 150 quilômetros do local do ataque, onde os médicos disseram que ele estava em condição estável, segundo o assessor.

Testemunhas disseram que um participante rapidamente tentou dominar o atirador suspeito enquanto ele ainda estava atirando com sua arma automática e atingiu fatalmente um manifestante. Mais tarde, a polícia prendeu o suspeito do crime. Em uma suposta confissão em vídeo divulgada posteriormente a repórteres, o suspeito disse que agiu sozinho e que sua única missão era matar Khan por "enganar" o público.

Os líderes do PTI questionaram a identidade do suspeito detido, no entanto, e sua posterior confissão em vídeo, dizendo que era uma tentativa de encobrir o plano de assassinato e que havia mais de um agressor. A polícia provincial confirmou mais tarde que havia dois atiradores e que os esforços estavam em andamento para prender a segunda pessoa.

"Foi uma tentativa bem planejada de assassinato de Imran Khan, o assassino planejado para matar Imran Khan e a liderança do PTI", tuitou Chaudhry Fawad Hussain, líder central do partido de Khan. Ele disse que "foi uma explosão de armas automáticas".

Faisal Javed, um associado próximo de Khan e membro do Senado, a câmara alta do parlamento, estava entre os feridos. Ele também confirmou as vítimas enquanto falava com repórteres do lado de fora de um hospital local com suas roupas manchadas de sangue.

O ataque de quinta-feira irritou os partidários de Khan, que foram às ruas das principais cidades paquistanesas para protestar contra o atentado contra sua vida. As manifestações continuaram depois da meia-noite.

O primeiro-ministro Shehbaz Sharif condenou o tiroteio, dizendo que havia instruído o ministro do Interior a apresentar imediatamente um relatório sobre o incidente.

"Rezo pela recuperação e saúde do presidente do PTI e outras pessoas feridas. [O] governo federal estenderá todo o apoio necessário ao governo de Punjab para segurança e investigação. A violência não deve ter lugar na política do nosso país", tuitou Sharif.

Khan emitiu uma declaração de sua cama de hospital, acusando o governo e os militares de planejar o ataque, alegações negadas pelos funcionários.

Fontes