Eleições no Equador: Noboa lidera contagem de votos

Fonte: Wikinotícias
Noboa

16 de outubro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os equatorianos votaram neste domingo para eleger um novo presidente entre a advogada Luisa González e o empresário Daniel Noboa.

Até o momento, Noboa lidera a contagem com 52,2% dos votos enquanto González tem 47,7%.

Se a tendência continuar, Noboa, de 35 anos, se tornará o presidente mais jovem do Equador. Herdeiro de um dos homens mais ricos do país, Noboa entrou na corrida sem muita experiência política anterior.

A presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Diana Atamaint, informou no encerramento das urnas que houve 82,3% de participação, “número que permanece no recorde histórico de participação nas últimas eleições”. “Hoje o Equador triunfou, a democracia triunfou”, disse.

Os resultados oficiais, que Noboa aguardará na cidade costeira de Olón y González em um hotel de Quito, são esperados a partir das 18h30 locais.

A empresa de pesquisas Estrategas Infinity disse que uma pesquisa de saída entre mais de 32 mil eleitores mostrou uma vantagem para Noboa, com 53,85% contra 46,15% para González.

Os equatorianos saíram para eleger um novo presidente num dia repleto de preocupação com a crescente violência que abala o país e que se intensificou em agosto, quando um candidato presidencial foi assassinado em plena luz do dia.

Ambos os candidatos foram vistos usando coletes à prova de balas durante o dia.

O Ministro do Interior, Juan Zapata, informou que não foram registados incidentes de segurança durante o dia. Mais de 53 mil policiais monitoraram a votação, acrescentou.

O comandante-geral da Polícia Nacional do Equador, general César Zapata, relatou a prisão de mais de 400 pessoas desde quinta-feira no âmbito de operações de prevenção ao crime no contexto das eleições. Mais de cem armas de fogo, facas e dezenas de veículos foram apreendidos.

Treze milhões e meio de eleitores foram chamados às urnas. No Equador, o voto é obrigatório para cidadãos entre 18 e 64 anos.

Quem vencer governará apenas 15 meses, que é o que resta do mandato do presidente Guillermo Lasso, cujo mandato foi abreviado quando dissolveu a Assembleia Nacional em maio.

O presidente cessante deve realizar a transferência de poderes em data ainda a definir, que a autoridade eleitoral estima para meados de dezembro.

Fontes