Crises climáticas aumentam drasticamente a fome infantil, diz ONG

Fonte: Wikinotícias

28 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As crianças representavam quase metade das pessoas levadas à fome e à desnutrição devido a fenômenos climáticos extremos em países fortemente afetados pela crise em 2022, de acordo com uma instituição de caridade sediada no Reino Unido.

A Save the Children do Reino Unido disse na terça-feira que as crianças representavam 27 milhões dos 57 milhões de “pessoas empurradas para níveis de crise de insegurança alimentar aguda ou pior em 12 países por causa de condições extremas”.

“À medida que os eventos climáticos se tornam mais frequentes e graves, veremos consequências mais drásticas na vida das crianças”, disse Gwen Hines, CEO da organização. “Em 2022, 135% mais crianças foram empurradas para a fome devido a fenômenos meteorológicos extremos do que no ano anterior.”

Metade dos 27 milhões de crianças afetadas vieram dos países mais afetados, a Etiópia e a Somália.

A Save the Children destacou a Somália como particularmente vulnerável às crises climáticas, apontando para as cinco estações chuvosas consecutivas fracassadas no país e para o recente impacto das inundações que deslocaram 650 mil pessoas, cerca de metade das quais são crianças.

A Save the Children também identificou o Paquistão, que no ano passado viu inundações afetarem cerca de 33 milhões de pessoas, sendo metade delas crianças. Um ano após as cheias, “2 milhões de crianças afetadas pelas cheias estão gravemente desnutridas, com quase 600 mil crianças sofrendo da forma mais mortal de desnutrição”, disse a instituição de caridade.

A Save the Children também apelou aos líderes mundiais dos países de elevado rendimento para enfrentarem a crise climática “fornecendo financiamento para perdas/danos e adaptação climática”.

A Save the Children também apelou à ação dos líderes para resolver a “aguda insegurança alimentar e nutricional, como conflitos, desigualdade e falta de sistemas resilientes de saúde, nutrição e proteção social”.

Fontes[editar | editar código-fonte]