Brasil registra área com clima de deserto pela primeira vez, revela estudo

Fonte: Wikinotícias
Seca no sertão nordestino em 2012.

12 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um estudo realizado por pesquisadores do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) e do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) revelou que o Brasil registrou pela primeira vez áreas com clima árido, semelhante ao de desertos. Foram utilizados dados climáticos de 1990 a 2020, os quais revelaram que o índice de aridez caiu a níveis inéditos, aumentando as áreas em desertificação.

Segundo o estudo, a região norte da Bahia foi a mais afetada pela aridez, apresentando uma redução no número de nuvens e na capacidade de chuva. As principais causas apontadas pelos pesquisadores foram as mudanças climáticas, que elevaram a temperatura da terra e a evaporação da água, e a degradação do solo causada pelo uso humano, como desmatamento e queimadas.

O estudo alerta que o processo de aridez do clima avança por todo o país, com exceção da região Sul, e que isso pode trazer graves consequências para a biodiversidade, a agricultura e a qualidade de vida das populações afetadas. Os pesquisadores recomendam que o Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e outros órgãos ambientais e do governo federal elaborem um plano de ação para combater a desertificação e mitigar seus efeitos.

O Brasil é signatário da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação (UNCCD), que define como terras secas aquelas áreas que apresentam um índice de aridez entre 0,05 e 0,65. Dentro desse conceito, existem três tipologias: subúmidas secas, semiárido e árido. Até então, o Brasil tinha apenas as duas primeiras tipologias, abrangendo parte dos nove estados do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo. Agora, o país passa a ter também uma área árida, que se assemelha a um deserto.

Fontes[editar | editar código-fonte]