Ataque a templo na capital afegã mata 2

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

18 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Autoridades do Talibã do Afeganistão disseram no sábado que pelo menos duas pessoas foram mortas e outras sete ficaram feridas em um ataque a um templo sikh na capital, Cabul.

O porta-voz do Ministério do Interior, Abdul Nafi Takor, disse a repórteres que um membro da comunidade sikh e um pessoal de segurança do Talibã estão entre os mortos.

Takor disse que um grupo de homens armados lançou granadas de mão contra os seguranças na entrada antes de invadir o local de culto no bairro de Kart-e-Parwan.

As forças de segurança do Talibã rapidamente cercaram o templo e envolveram os assaltantes em um tiroteio, matando todos eles e encerrando o cerco.

As emissoras de televisão locais transmitiram imagens mostrando pesadas nuvens cinzentas de fumaça subindo da área.

Takor disse que os eles tentaram dirigir um carro cheio de explosivos para a área lotada, mas ele explodiu antes de atingir o alvo pretendido, sem causar vítimas.

Um funcionário do templo, Gornam Singh, disse a repórteres que havia 30 pessoas dentro do prédio no momento do ataque.

Nenhum grupo assumiu imediatamente a responsabilidade pela violência.

Havia cerca de 300 membros da pequena comunidade sikh no Afeganistão antes da tomada do Talibã em agosto.

Membros da comunidade e relatos da mídia disseram que muitos sikhs deixaram o país para a Índia antes da tomada do Talibã e o restante não conseguiu fazê-lo devido a problemas para obter vistos indianos.

Uma afiliada regional do grupo Estado Islâmico, o Estado Islâmico Província de Khorasan, recentemente aumentou os ataques contra a minoria, matando dezenas de pessoas.

O grupo reivindicou um ataque a outro templo sikh em Cabul em 2020 que matou 25 fiéis.

Os novos governantes do Talibã dizem que eliminaram em grande parte as bases do Estado Islâmico no Afeganistão, mas repetidos ataques nos últimos dias levantam dúvidas sobre as alegações oficiais.

O Ministério das Relações Exteriores da Índia disse estar "profundamente preocupado" com os relatos do ataque.

"Estamos monitorando de perto a situação e aguardando mais detalhes sobre os desdobramentos", disse o porta-voz do ministério, Arindam Bagchi, em comunicado.

Fontes