Advogada de direitos humanos Nasrin Sotoudeh libertada no Irã

Fonte: Wikinotícias
Nasrin Sotoudeh

17 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As autoridades iranianas libertaram na quarta-feira Nasrin Sotoudeh, uma advogada de direitos humanos reconhecida internacionalmente que ficou presa por mais de duas semanas, disse seu marido.

Sotoudeh, 60 anos, foi presa em 29 de outubro enquanto participava do funeral de Armita Garawand, que, segundo ativistas, foi agredida pela polícia moral de Teerã.

“Nasrin foi libertada da prisão há algumas horas depois de pagar fiança”, disse seu marido, Reza Khandan, em uma postagem no X, antigo Twitter, que incluía uma foto com sua esposa, que visivelmente estava sem lenço na cabeça, obrigatório para mulheres que vivem na república islâmica.

Sotoudeh já cumpriu pena por seu ativismo no passado, incluindo uma sentença em 2018 de 38 anos e 148 chicotadas. Ela foi libertada dois anos após.

A morte de Garawan ecoa a de Mahsa Amini, cujo alegado assassinato revigorou um movimento feminista no Irã. Ambas as mulheres morreram enquanto estavam sob custódia da polícia moral do Irã. As autoridades da república islâmica reprimiram as pessoas que se recusam a cumprir o código de vestimenta iraniano para as mulheres, ao mesmo tempo que tentam reprimir a reação pública.

Em ambos os casos, a polícia moral atribuiu as mortes a condições médicas não relacionadas.

Fontes[editar | editar código-fonte]