Saltar para o conteúdo

“Garanto uma alternância pacífica”: Edmundo González, candidato da oposição venezuelana em seu primeiro discurso público

Fonte: Wikinotícias
Edmundo González Urrutia

19 de maio de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O candidato da oposição unitária, Edmundo González Urrutia, apareceu pela primeira vez em um comício de campanha em La Victoria, estado de Aragua, centro-norte da Venezuela, no qual afirmou que "alguns tiraram os direitos de todos nós" inicie seu discurso .

Até este sábado, sua figura estava reservada para reuniões com partidos políticos e sociedade civil.

Horas antes, González Urrutia conversou com sua esposa à Voz da América e confirmou que lhe ofereceram segurança de Estado, o que ele aceitou.

González foi apresentado às massas pela líder María Corina Machado, vencedora das primárias de 22 de outubro e impedida de concorrer às eleições devido a uma desqualificação política de 15 anos.

“Continuámos a superar todos os obstáculos e cada vez que nos colocam uma barreira, crescemos mais”, disse Machado perante os seguidores reunidos.

“Eles não nos tiraram e nunca tirarão a nossa esperança.” Aos 74 anos, o diplomata foi escolhido há dois meses como porta-estandarte unitário da plataforma dos partidos da oposição para enfrentar Nicolás Maduro nas eleições presidenciais de 28 de julho.

“Garanto uma alternância pacífica na qual todas as forças políticas poderão exercer os seus direitos no âmbito da Constituição”, prometeu González Urrutia aos que ainda atuam no chavismo.

“Pedimos à comunidade internacional que nos acompanhe de perto neste processo, porque será decisivo para reduzir a migração e fazer da Venezuela um parceiro confiável”, afirmou no seu discurso que durou cerca de 12 minutos.

O candidato também dirigiu palavras às Forças Armadas Nacionais: “Serei o garante da sua institucionalidade”, garantiu.

“Chega de cortes de energia, chega de cortes de água, chega de linhas de gás”, dizia um dos muitos cartazes que acompanharam o evento da campanha. Aragua, assim como outros estados do país, apresenta falhas constantes nos serviços públicos. Nas últimas semanas, a população de La Victoria sofreu apagões que duraram dias.

“Estou aqui porque quero mudanças para a Venezuela, quero poder trabalhar para ganhar um bom salário”, disse à VOA Moisés Martínez, 21 anos, que participou da manifestação. “O salário não chega para mim, tenho um filho (…) metade da minha família está fora do país, mas sou daqueles que não quis sair.”

A poucos quilómetros do mesmo local, o chavismo também liderou uma mobilização para apoiar o presidente Maduro, que aspira a um terceiro mandato de seis anos.

Fonte[editar | editar código-fonte]