"Quando, em nome de Deus, vamos enfrentar o lobby das armas?", perguntou Biden depois de mais um massacre

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

Washington • 25 de maio de 2022

link=mailto:?subject="Quando,%20em%20nome%20de%20Deus,%20vamos%20enfrentar%20o%20lobby%20das%20armas?",%20perguntou%20Biden%20depois%20de%20mais%20um%20massacre%20–%20Wikinotícias&body="Quando,%20em%20nome%20de%20Deus,%20vamos%20enfrentar%20o%20lobby%20das%20armas?",%20perguntou%20Biden%20depois%20de%20mais%20um%20massacre:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/%22Quando,_em_nome_de_Deus,_vamos_enfrentar_o_lobby_das_armas%3F%22,_perguntou_Biden_depois_de_mais_um_massacre%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text="Quando,+em+nome+de+Deus,+vamos+enfrentar+o+lobby+das+armas?",+perguntou+Biden+depois+de+mais+um+massacre&url=https://pt.wikinews.org?curid=79685 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject="Quando,%20em%20nome%20de%20Deus,%20vamos%20enfrentar%20o%20lobby%20das%20armas?",%20perguntou%20Biden%20depois%20de%20mais%20um%20massacre%20–%20Wikinotícias&body="Quando,%20em%20nome%20de%20Deus,%20vamos%20enfrentar%20o%20lobby%20das%20armas?",%20perguntou%20Biden%20depois%20de%20mais%20um%20massacre:%0A//pt.wikinews.org/wiki/%22Quando,_em_nome_de_Deus,_vamos_enfrentar_o_lobby_das_armas%3F%22,_perguntou_Biden_depois_de_mais_um_massacre%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

O Presidente americano afirmou ser hora de agir contra o lobby das armas, horas depois de um tiroteio que deixou 20 mortos numa escola primária no Estado do Texas, nesta terça-feira (24), sendo 18 crianças, uma professora e o agressor de 18 anos de idade. Antes, o número de mortos revelado pelo governador do Texas, Greg Abbott, era de 16, incluindo o atirador.

“Como uma nação, nós devemos nos perguntar 'quando é que vamos nos opor ao lobby das armas?'”, afirmou Joe Biden num discurso na Casa Branca horas depois de regressar de uma viagem de cinco dias à Ásia.

“É hora de agir”, desafiou o Presidente quem se mostrou angustiado e irritado e pediu novas restrições às armas de fogo.

“Quando, em nome de Deus, vamos enfrentar o lobby das armas?”, voltou a perguntar ao lado da primeira-dama Jill Biden na Sala Roosevelt.

“É hora de transformar essa dor em acção”, continuou o Presidente, para quem ”perder um filho é como ter um pedaço da alma arrancado, há um vazio no seu peito. Você sente como se estivesse sendo sugado para dentro dele e nunca será capaz de sair”.

Na sua intervenção, ele admitiu ter pensado quando se tornou Presidente que “não teria de fazer isso de novo”, em referência a vir a público condenar a morte de alunos “bonitos e inocentes” da segunda, terceira e quarta classe “noutro massacre”.

Seus pais “nunca verão seus filhos novamente, nunca os farão pular da cama e se aconchegar com eles”, disse ele.

Há 10 dias, um atirador matou 10 pessoas num supermercado em Buffalo, no Estado de Nova Iorque e dois antes de viajar para a Coreia do Sul, Joe Biden visitou as famílias das vítimas, na sua grande maioria negras, num crime classificado como de ódio racial.

As tragédias consecutivas serviram como lembretes preocupantes da frequência e brutalidade de uma epidemia americana de violência armada em massa.

“Esses tipos de tiroteios em massa raramente acontecem noutros lugares do mundo”, afirmou Biden, que se perguntou. “Por quê?”.

Pouco antes de aterrissar em Washington, ainda no avião presidencial, Biden conversou com o governador do Texas, Greg Abbott, “para oferecer toda e qualquer assistência necessária após o terrível tiroteio”, segundo informou a diretora de comunicação da Casa Branca, Kate Bedingfield.

O Presidente ordenou que as bandeiras americanas sejam hasteadas a meio mastro até o pôr do sol de sábado (28), em homenagem às vítimas do tiroteio.

No início da tarde, o atirador, identificado pelas autoridades como Salvador Ramos, entrou na escola primária Robb, em Uvalde, a cerca de 130 quilômetros a oeste de San Antonio, e protagonizou um dos maiores massacres numa escola nos Estados Unidos.

Notícias relacionadas

Fonte