Brasil dá vexame e é eliminado pela França da Copa do Mundo de Futebol

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

1 de julho de 2006

Brasil França
Quartas de Final · Waldstadion (Frankfurt )
1/Jul/2006 · 18:00 (-2 UTC)
Público: 48000
Árbitro: Luís Medina Cantalejo (ES)
Assistentes: Victoriano Carrasco (ES), Pedro Medina Hernandez (ES)
Flag of Brazil.svg
0 - 1
Flag of France.svg

Henry (12' 2T)

1-Dida (G)

2-Cafu (13-Cicinho 31' 2T)

3-Lúcio

4-Juan

6-Roberto Carlos

17-Gilberto Silva

11-Zé Roberto

19-Juninho Pernambucano (7-Adriano 18'2T)

8-Kaká (23-Robinho 34' 2T)

10-Ronaldinho Gaúcho

9-Ronaldo

Barthez (G)

Sagnol

Gallas

Thuram

Abidal

Vieira

Makelele

Malouda (Wiltord)

Ribéry (Govou)

Zidane

Henry (Saha)

Técnico: Carlos Alberto Parreira Técnico: Raymond Domenech
cartões amarelos: Lúcio, Juan, Ronaldo e Cafu cartões amarelos: Thuram, Saha e Sagnol



O Brasil foi eliminado hoje nas Quartas de Final da Copa do Mundo de 2006 pela França com um gol de Henry aos 12 minutos do segundo tempo. A seleção brasileira, apesar de contar com jogadores renomados e considerados os melhores do mundo, apresentou um futebol muito ruim e só foi capaz de fazer com que o goleiro francês Barthez entrasse em ação por volta dos 45 minutos do segundo tempo. Foi a pior exibição da seleção brasileira numa fase decisiva da Copa do Mundo.

O placar só não foi maior para a França por causa do bom desempenho da defesa brasileira e do seu goleiro Dida, e da baixa qualidade dos atacantes franceses. Mesmo assim, por pouco a França não sai de campo com uma goleada de 3 a 0 em cima do Brasil.

O francês Zidane foi o melhor jogador em campo e sozinho, sem marcação, envolveu o meio de campo brasileiro. Ele foi o articulador de todas as jogadas da França. Bem longe de ser brilhante, a França apresentou durante toda a partida um jogo coletivo bastante superior ao do Brasil, com exceção de alguns minutos no final, e de um ou outro lampejo no começo do primeiro tempo. Os franceses foram eficientes na marcação e anularam as jogadas de ataque brasileiras. No ataque repetiram algumas de suas deficiências dos últimos jogos: impedimentos (em menor número) e gols desperdiçados (principalmente nos contra-ataques, bem armados).

A defesa brasileira repetiu as suas boas atuações dos outros jogos, porém, sobrecarregada, não conseguiu resistir à pressão do ataque francês. O ataque brasileiro não funcionou. Ronaldinho Gaúcho e Kaká não brilharam. Ronaldo tentou mas nas pouquíssimas vezes que teve chance de pegar na bola chutou para fora. No segundo tempo chegou a participar de jogadas de perigo para a França, porém quando o jogo já estava no fim.

O atacante brasileiro Adriano entrou e teve uma atuação bastante apagada. A seleção brasileira começou a jogar menos pior depois que o atacante Robinho entrou aos 34 minutos do segundo tempo, porém não houve tempo para que a pequena reação brasileira no jogo surtisse algum efeito.

A partida ocorreu às 21 horas (horário local) no Estádio da Copa do Mundo da FIFA, Frankfurt.

O jogo

Primeiro tempo

O jogo começou com as duas equipes cautelosas, evitando errar e estudando o adversário. Apesar disso, o jogo fluía e as duas equipes tinham liberdade para jogar.

O Brasil começou bem a partida e parecia que daria trabalho à França. Logo aos 2 minutos é alçada uma bola na área francesa para Ronaldo, que não alcança-a.

Aos 4 minutos, falta na entrada da área para cobrança do Brasil. Juninho Pernambucano cobra, a bola esbarra em Patrick Vieira e é escanteio. A cobrança de escanteio é desperdiçada e a França recupera a posse de bola.

Os franceses resolvem entrar mais no jogo por volta dos 12 minutos. O atacante Henry chuta de longe, o zagueiro Lúcio tira para a lateral.

Perto dos 15 minutos, Ronaldo faz uma boa jogada, passa para Kaká que finaliza para fora, ainda que perto do gol de Barthez.

O Brasil tentava pressionar a França, todavia, a falta de criatividade na armação de jogadas no ataque e a imobilidade de seus principais atacantes facilitava o trabalho dos zagueiros franceses. A conseqüência disso é que o goleiro francês Barthez não efetuava nenhuma defesa e o Brasil não levava perigo, ainda que tivesse a posse de bola no ataque.

A França respeita o Brasil, porém cria coragem e resolve arriscar mais no jogo. Os franceses começam a dominar a partida. Zidane comanda a ofensiva francesa.

Depois dos 20 minutos, Zidane domina sozinho e com total liberdade o meio de campo e como um verdadeiro maestro organiza as principais jogadas da França. A defesa brasileira começa a ser exigida.

A bola não consegue chegar até Ronaldo que fica isolado no ataque. Ele tenta se movimentar mas não consegue livrar-se da marcação francesa. Kaká e Ronaldinho Gaúcho têm dificuldades para cruzar e infiltrar na defesa francesa.

Por volta dos 26 minutos o zagueiro brasileiro Lúcio comete a sua primeira falta nesta Copa do Mundo. Zidane cobra, mas a bola passa por cima do travessão de Dida.

A França teria ainda uma boa oportunidade perto dos 32 minutos numa jogada de Ribery. Este recebe falta, Zidane cobra, Thuran cabeceia mas o defensor brasileiro Juan joga a bola para fora.

Aos 44 minutos Zidane faz uma boa jogada e lança Vieira que parte sozinho contra apenas dois jogadores brasileiros. O zagueiro brasileiro Juan disputa a bola e não tem outra alternativa a não ser derrubar o francês, do contrário ele iria entrar sozinho na grande área brasileira. Como a jogada era de perigo e por ser quase o último homem (um outro brasileiro acompanhava, um pouco mais distante) o árbitro resolve dar cartão amarelo para Juan.

A falta é perigosa. Henry cobra e a bola bate na mão do jogador Ronaldo que estava na barreira. Teria sido pênalti? O árbitro entende que não e marca apenas falta. Ronaldo recebe cartão amarelo.

Agora são 48 minutos. Zidane cobra a falta e ela novamente bate na barreira. O árbitro então encerra o final do primeiro tempo.

Segundo tempo


Desporto
Este artigo descreve um evento desportivo acompanhado ao vivo pelo colaborador. Eventos desportivos acompanhados pelos colaboradores não precisam de fontes especificadas.

Fontes