Veto na ONU dá a Assad “licença para matar” na Síria, diz oposição

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

thumbs

5 de fevereiro de 2012

ONU — O Conselho Nacional Sírio (CNS), que reúne diversos grupos contrários ao governo, pediu que Moscou e Pequim reconsiderem a decisão. Rússia e China deram ao governo sírio «licença para matar» com o veto à proposta de resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), segundo ativistas da oposição.

“O CNS considera ambos os países responsáveis pelo agravamento das mortes e genocídio, e considera este passo irresponsável uma licença para que o regime sírio mate sem ser responsabilizado”, disse uma declaração divulgada pelo grupo. A ativista iemenita e vencedora do Prêmio Nobel da Paz, Tawakul Karman, também disse que os dois países passaram a ter responsabilidade moral pelas mortes na Síria.

A Rússia e China, membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, rejeitaram a proposta de resolução que defendia “uma transição política, liderada pela Síria, para um sistema político democrático e plural”. O veto já havia sido duramente criticado por diplomatas ocidentais, que se disseram "indignados" e "horrorizados" com a rejeição do texto.

A proposta de resolução (que contava com o apoio dos outros 13 integrantes do Conselho e da Liga Árabe, representante dos países da região) era considerada por analistas como o esforço mais importante feito até agora pela ONU para solucionar a crise na Síria.

A decisão ocorreu em um dos dias mais sangrentos desde o início do levante contra o governo de Bashar Al Assad, há 11 meses. Grupos rebeldes e ativistas dizem que um ataque militar contra a cidade de Homs, na madrugada de sábado (4), deixou dezenas de civis mortos.

A mídia estatal síria negou que tenha havido uma ofensiva militar em Homs e acusou a oposição de ter inventado os ataques. A imprensa oficial também elogiou o veto da Rússia e China, alegando que ele será um incentivo para as reformas políticas prometidas pelo governo.

A Rússia é o principal aliado da Síria no Conselho de Segurança da ONU e já tinha declarado que iria vetar a resolução. O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, criticou a proposta de resolução da ONU que, segundo ele, tinha medidas apenas contra o presidente Bashar Al Assad e não previa punições aos grupos de oposição armados.

Lavrov deve se reunir com Assad em Damasco na terça-feira (7), junto com o chefe do Serviço de Inteligência Internacional da Rússia, Mikhail Fradkov. Mohammed Loulichki, embaixador do Marrocos na ONU e único membro árabe do atual conselho da organização, disse que estava profundamente "decepcionado" com o veto da Rússia e China à resolução.

A embaixadora americana na ONU, Susan Rice, declarou que o veto foi "vergonhoso" e mostrou que os russos e chineses "protegem um tirano”. “Qualquer derramamento de sangue estará nas mãos deles", acrescentou.

O enviado da Grã-Bretanha à ONU, Mark Lyall Grant, disse que os britânicos estão "chocados" com a rejeição da resolução.

Fonte

Ver também

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati