Uzbeques ainda aguardam as reformas prometidas nos direitos humanos

21 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em seu primeiro grande discurso internacional na Assembleia Geral da ONU de 2017, o presidente do Uzbequistão, Shavkat Mirziyoyev, prometeu reformas sistêmicas em todos os setores.

“Estamos profundamente convencidos de que as pessoas não devem servir ao governo, mas o governo deve servir às pessoas”, disse Mirziyoyev.

Mas quatro anos depois, com a aproximação das eleições presidenciais, os defensores dos direitos humanos consideram essas promessas uma quimera.

“A boa notícia é que problemas fundamentais foram diagnosticados”, disse Abdurakhmon Tashanov, chefe da Sociedade de Direitos Humanos Ezgulik em Tashkent. “Mirziyoyev e seu governo admitem e afirmam que os estão enfrentando. Mas é hora de passos e soluções reais.”

Ezgulik, uma organização de base independente com mais de 200 defensores dos direitos em todo o Uzbequistão, é financiada principalmente por doadores suecos e de outros países ocidentais. Por três décadas, monitorou as prisões e liderou a luta para obter a libertação de presos políticos.

O estado, desconfiado de seu apoio estrangeiro, acompanhou de perto suas atividades. Mas Tashanov agora faz parte de vários conselhos, envolvendo atores governamentais e não governamentais da mesma forma, e as atividades do grupo são cobertas pela mídia uzbeque.

Fontes