Uma mulher é queimada viva em Paraguai por ser considerada bruxa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

7 de novembro de 2014

Na aldeia Taheyhí, a 300 kms de Assunção, Paraguai, 45 Adolfina Santos foi condenado à morte por um cacique da tribo Mby'a ser considerada bruxa. A execução ocorreu a mulher pendurada em uma vara, ele lançou flechas de madeira e foi finalmente acendeu o fogo vivo.

Embora a data exata do crime é desconhecida, a justiça paraguaia cobrado nove homens da aldeia de crimes de privação ilegal da liberdade e homicídio.

Além disso Agência de Refugiados das Nações Unidas informa que milhares de pessoas são executadas por esta acusação e até mesmo abandonadas por suas famílias assassinados em todo o mundo

Um evento paralelo a esta notícia estava confundindo os jornalistas Telecinco canal Espanha que confundiu Paraguai para o Uruguai, a história começa com a frase "Adolfina Santos, 45 anos, foi queimado vivo no Uruguai para ser acusada de bruxa" na site do meio

Fontes

https://es.wikinews.org/w/index.php?title=Una_mujer_es_quemada_viva_en_Paraguay_por_ser_considerada_bruja&oldid=419072

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com