Ucrânia: Voluntários de mais de 50 países lutam contra invasão russa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

23 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O fato de milhares de pessoas de vários países do mundo terem manifestado o desejo de lutar ao lado da Ucrânia contra a Rússia causou uma reação diferente dos governos dos países de onde vieram os voluntários.

Um estudo realizado por jornalistas de vários serviços identificou três tipos principais de resposta.

Os governos dos estados ocidentais, em sua maioria, apoiaram, ou pelo menos não impediram que seus cidadãos fossem lutar na Ucrânia.

As autoridades da maioria dos países asiáticos, pelo contrário, exortam ou até ordenam que seus cidadãos não participem do conflito ucraniano.

Finalmente, as autoridades da Federação Russa e da Bielorrússia condenam essas pessoas e as ameaçam com punição.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, em 6 de março deste ano, “quase 20.000 veteranos e voluntários experientes” se inscreveram para ingressar na “Legião de Defesa Estrangeira da Ucrânia.” As autoridades ucranianas não divulgam quantos voluntários que se candidataram foram autorizados a entrar no país, mas o departamento de defesa ucraniano informou que até 11 de março, combatentes de mais de 50 países do mundo lutaram na legião. Entre eles estão soldados da Grã-Bretanha, Holanda, Dinamarca, Croácia, Letônia, Polônia, Israel e Canadá.

A Voz da América ainda não conseguiu obter confirmação independente desses números, especialmente porque, de acordo com vários relatórios, vários combatentes voluntários simplesmente chegaram à Ucrânia sem passar pelos canais oficiais.

Um porta-voz da embaixada ucraniana nos Estados Unidos disse que cerca de 3.000 cidadãos americanos estavam entre os que se candidataram.

Dos cidadãos pró-ucranianos da Rússia e da Bielorrússia, há uma alta porcentagem de pessoas da Chechênia que se opõem ao Kremlin desde as duas guerras chechenas travadas pela Rússia nas décadas de 1990 e 2000. De acordo com Akhmed Zakayev, os combatentes chechenos estão na Ucrânia desde 2014, enquanto lutam contra unidades separatistas pró-Rússia no Donbass.

O governo da Federação Russa qualifica esses combatentes chechenos como terroristas e traidores da pátria.

Os bielorrussos também estão lutando ao lado da Ucrânia. Os cidadãos da Bielorrússia que deixaram o país, que se opõem aos regimes de Lukashenka e Putin, formaram o batalhão Kastus Kalinovsky. Eles postam fotos de seu cotidiano militar no canal Telegram.

Alexander Lukashenko ainda não os ameaçou publicamente com punição, mas na reunião presidencial de 15 de março os chamou de loucos e mercenários. Até agora, o oficial Minsk não respondeu ao pedido de e-mail da Voz da América sobre uma possível punição para esses voluntários se eles voltarem para casa.

As constituições de muitos países ocidentais têm artigos que proíbem seus cidadãos de recrutar para as fileiras de exércitos estrangeiros para participar de hostilidades no exterior. No entanto, no caso da Ucrânia, os governos desses países até agora permaneceram em silêncio ou até acolheram esse desejo, chamando a guerra que a Ucrânia está travando contra a Federação Russa de justa.

O governo dos EUA não condena tais ações, mas está tentando impedir que os americanos participem da guerra na Ucrânia. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse em uma coletiva de imprensa que os americanos que estão dispostos a participar da resistência à invasão russa têm a oportunidade de transferir fundos para ajudar a Ucrânia.

“Ainda acreditamos que não é seguro para os americanos na Ucrânia. Pedimos a eles que não vão lá”, disse Kirby.

Voluntários dos EUA correm o risco de violar a Lei de Neutralidade dos EUA, uma lei que prevê multas e prisão para cidadãos dos EUA que recebem serviço militar nas fileiras de um exército estrangeiro lutando contra um país com o qual os Estados Unidos estão em paz. No entanto, o governo dos EUA ainda não especificou se alguma ação será tomada contra os americanos que não seguiram essa recomendação.

As autoridades da Letônia, que é membro da OTAN, hoje são mais ativas do que outras no encorajamento de seus cidadãos que desejam ingressar no exército ucraniano. Já em 28 de fevereiro, o Parlamento letão aprovou uma lei que permite que os cidadãos letões façam isso.

“Nossos cidadãos que querem apoiar a Ucrânia e entrar no serviço [militar] lá para proteger a independência da Ucrânia e nossa segurança comum devem ser capazes de fazer isso”, disse um dos autores da lei, o deputado Juris Rankanis, à Reuters.

Ao contrário da Rússia e da Bielorrússia, as autoridades georgianas não estão dispostas a falar muito sobre a presença de longo prazo de voluntários georgianos nas unidades pró-ucranianas que lutam na Ucrânia. O oficial de Tbilisi ainda não respondeu ao pedido da Voz da América para comentar a situação atual dos combatentes georgianos em território ucraniano.

Há disputas entre o governo da Geórgia e os partidos da oposição sobre que tipo de ajuda — e em que escala — Tbilisi deve fornecer aos seus vizinhos ucranianos na luta contra a invasão russa.

O ex-oficial do exército georgiano Mamuka Mamulashvili, um dos organizadores das unidades de combate georgianas na Ucrânia, disse ao British Independent no início deste mês que quatrocentos georgianos, cem britânicos e cinquenta americanos devem em breve ser inscritos na Legião Estrangeira Ucraniana.

Fontes