Ucrânia: 500 mil russos foram reassentados na Crimeia desde o início da ocupação

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de outubro de 2020

Desde o início da ocupação em 2014, cerca de meio milhão de cidadãos da Federação Russa foram reassentados no território da península da Crimeia, o que pode indicar que o país está seguindo uma política objetiva em relação à mudança da estrutura demográfica da Crimeia.

Segundo estatísticas oficiais, 100 mil russos se mudaram para a Crimeia, mas segundo o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, esse número é cinco vezes maior. Jsso foi afirmado pela primeira vice-ministra das Relações Exteriores da Ucrânia, Emine Dzhaparova:

“Eles estão expulsando a população ucraniana da Crimeia. Por outro lado, eles trazem cidadãos russos para lá. Temos números diferentes, mas mesmo de acordo com as estatísticas russas, 100.000 russos pararam na Crimeia, mas o número não oficial é cinco vezes maior. Acreditamos que pelo menos meio milhão de cidadãos russos já estejam na Crimeia”.

Além disso, de acordo com Emine Dzhaparova, a agressão da Federação Russa levou ao aparecimento na Ucrânia de mais de 1,45 milhão de deslocados, incluindo aqueles que deixaram a Crimeia:

“Dizemos que pode haver até 60 mil dessas pessoas, mas esta não é uma estatística precisa, já que muitos ucranianos consideraram discriminação registrar-se como refugiados em suas próprias terras. Estamos convencidos de que esse número de cidadãos ucranianos que deixaram a Crimeia é de fato maior”.

Anteriormente, foi relatado que o Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitry Kuleba, disse que a questão da devolução da Crimeia anexada permanece em aberto para a Ucrânia.

Fontes

Ligação a um site em russo С начала оккупации в Крым переселили 500 тысяч россиян - МИДRegioNews, 21 de outubro de 2020

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com