Trump pede para arquivar investigação por interferência eleitoral

Fonte: Wikinotícias

6 de outubro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu esta quinta-feira a um tribunal de Washington o arquivamento do processo federal que o acusa de alegada interferência eleitoral, um dia depois de também ter pedido o adiamento, para depois das eleições de 2024, do processo por manuseio incorreto de documentos confidenciais na Flórida.

Os julgamentos estão agendados para março e maio do próximo ano. O ex-presidente também compareceu esta quarta-feira perante um tribunal de Nova Iorque acusado de fraude.

Sobre o processo em Washington, os advogados do ex-presidente defenderam que ele deveria ter imunidade para atos que estivessem “no centro das suas responsabilidades oficiais como presidente”.

O conselheiro especial dos EUA, Jack Smith, indiciou Trump em agosto passado de quatro crimes por supostamente tentar interferir na contagem de votos e bloquear a certificação do então presidente eleito Joe Biden nas eleições de 2020.

Smith, que lidera as investigações federais na capital dos EUA e em Miami, também acusou o ex-presidente, em junho passado, de mau uso de documentos confidenciais que levou para sua residência em Mar-a-Lago, na Flórida, após deixar a Casa Branca.

Trump se declarou inocente em todos os casos em que foi acusado. No caso de Miami, a equipa jurídica do ex-presidente pediu, numa moção apresentada esta quarta-feira à noite, o adiamento do julgamento pelo menos até meados de novembro de 2024.

As eleições presidenciais estão marcadas para 5 de novembro de 2024. Trump é atualmente o favorito à nomeação presidencial republicana.

“O Gabinete do Procurador Especial não conseguiu entregar algumas das provas mais críticas do caso”, afirma a moção. “Dado o cronograma atual, não podemos exagerar o quão prejudicial é para o presidente Trump a falta de acesso a esses materiais cruciais meses depois.”

O escritório de Smith não comentou.

Fontes[editar | editar código-fonte]