Tribunal Constitucional adia data do congresso da FNLA que pode correr risco de extinção

19 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) continua em crise com divergências entre dirigentes daquele que é considerado um dos partidos históricos do país.

Agora, a data do congresso da FNLA conheceu um novo revés, desta vez por decisão do Tribunal Constitucional (TC) que condicionou a realização do mesmo ao julgamento do recurso interposto pelo antigo secretário-geral, Pedro Macumbi Dala, afastado pelo actual presidente, Lucas Ngonda.

Depois de sucessivos adiamentos, devido a divergências internas, o conclave estava previsto para o mês de Junho.

Trata-se de “um aluta contra o tempo” porque o partido pode ser extinto se não cumprir um pressuposto legal que penaliza os partidos políticos que não realizarem sufrágios por mais de sete anos consecutivos.

Para já, a data para a realização do congresso depender do julgamento do recurso, cuja decisão poderá viabilizar a inclusão do antigo secretário-geral na lista dos actuais candidatos a presidente, segundo o antigo porta-voz do partido, Ndonda Nzinga.

Aquele político diz que o partido “está no limite da linha vermelha” para a sua sobrevivência e que a realização do “congresso de unidade, ainda este ano, é a maior preocupação dos militantes".

Por sua vez, o candidato à liderança da FNLA Pedro Gomes afirma que o TC não pode se imiscuir nos assuntos internos do partido e acusa aquela instância judicial de arrestar por muito tempo o julgamento dos recursos do seu partido.

O presidente do partido, Lucas Ngonda, de 80 anos de idade, concorre à sua própria sucessão, com mais seis aspirantes, entre eles, Carlito Roberto, filho do líder fundador, Holden Roberto.

O anterior congresso da FNLA reconhecido pelo TC teve lugar em 2010 que elegeu Lucas Ngonda presidente, em substituição de Ngola Kabango.

Fontes