Tráfico ilegal de armas estadounidenses até México perde 1.417 desde 2008

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Por pontos fronteíços como este em Nogales, E.U.A., armas estadunidenses são introduzidas ilegalmente ao México.

12 de maio de 2009

A Secretária da Segurança Interna dos Estados Unidos, Janet Napolitano anunciou que, desde que iniciou o programa Armas Cruzadas de colaboração entre o México e E.U.A. para combater o contrabando de armas estadunienses para o México, foram apreendidas 1.417 armas e 116.478 cartuchos de munições.

Os governos do México e Estados Unidos concordam em que as armas utilizadas pelos cartéis da droga mexicanos (cujos atos violentos têm aumentado recentemente), 90% provém do tráfico ilegal nos Estados Unidos.

Com as restrições à venda de armas nos Estados Unidos anuladas desde 2004, ambos os governos começaram em junho de 2008 um programa de colaboração chamado Armas Cruzadas. Este programa está enfocado a impedir que armas de fogo sejam introduzidas ilegalmente a território mexicano e alimentem a violência dos cartéis. Além de armas e cartuchos, Armas Cruzadas, havia resultado em 112 arrestos (prisões) e 3.341.388 dólares estadunienses em apreensões.

Membros do Exército Mexicano.

"Temos Visto uma redução da violência", disse Napolitano durante uma audiência perante a Comissão de Justiça do Senado estaduniense, ao referir-se ao tempo transcorrido desde que assumiu o cargo. Atribuiu esta evolução, no entanto, a implantação de 36.000 militares que foi realizado pelo Presidente do México Felipe Calderón para combater os cartéis de droga.

"No entanto, claramente necessitamos fazer mais. Estas apreensões êxitos representam só apenas uma fração das armas que são introduzidas clandestinamente ao México.", aprofundou Napolitano e continuou a dizer que deve aumentar-se os esforços para deter este fluxo ilegal.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati