Talibã diz que as mulheres podem estudar em aulas segregadas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de setembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

O governo do Talibã no Afeganistão disse que as mulheres podem continuar a fazer estudos universitários e de pós-graduação em instituições públicas e privadas, desde que as salas de aula ou as estruturas dos prédios sejam segregadas por gênero.

O ministro da educação em exercício do Talibã, Abdul Baqi Haqqani, ao definir a nova política em uma entrevista coletiva em Cabul, defendeu a segregação de estudantes por gênero, argumentando que a coeducação é contra os inquilinos islâmicos e as tradições culturais afegãs.

O ministro disse que só as professoras poderão lecionar para as alunas e não faltarão professoras. Mas, se for realmente necessário, os homens também terão permissão para ensinar mulheres sem violar a lei islâmica.

“Eles (professores) também podem ensinar, mas de acordo com a Sharia. Eles devem ensinar por trás de uma cortina ou usar telas (de vídeo) e outras instalações semelhantes ”, disse Haqqani.

Ele enfatizou que seu governo pretende preservar os ganhos que o Afeganistão obteve no setor de educação nos últimos 20 anos, mas não haverá coeducação no país.

Sob o governo do Talibã de 1996-2001 no Afeganistão, os direitos humanos, particularmente os direitos das mulheres, foram drasticamente restringidos, levando ao isolamento internacional do país na época.

O grupo fundamentalista introduziu um sistema de justiça brutal. As mulheres foram proibidas de sair de casa sem um parente do sexo masculino e as meninas não tinham permissão para receber educação na época.

Desde que voltou ao poder há quase um mês, o Taleban prometeu defender os direitos humanos e permitir que as mulheres estudem ou trabalhem para que possam permanecer parte da comunidade global e continuar a receber ajuda financeira para lidar com as múltiplas crises que o país enfrenta.

Notícia relacionada

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit