TEDx São Tomé: organizadores querem cidadãos conscientes que possam fazer parte da mudança

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

14 de outubro de 2018

O tema da quinta edição do TEDx São Tomé deste ano foi reevolução. O programa foi criado para oferecer às comunidades, organizações e indivíduos de São Tomé e Príncipe a oportunidade de promover o diálogo através de experiências TED no país.

Em entrevista à Voz da América, a anfitriã e curadora do evento, Katya Aragão, disse que o objetivo deste ano foi dar um alerta. Chamar a atenção. “Temos que tomar consciência de nós mesmos e fazer algo para mudar o panorama atual”.

O TEDx São Tomé decorreu na Casa das Artes Criação Ambiente Utopia em São Tomé no dia 29 de setembro e contou com 13 oradores que abordaram diversos assuntos, desde a preservação das florestas até os desafios econômicos.

Estrela Matilde, diretora executiva da Fundação Príncipe Trust, falou sobre a desplastificação. Segundo Aragão, Matilde deu exemplos concretos daquilo que ela tem feito para eliminar o plástico do seu dia a dia, além de dar dicas de como cada um de nós pode contribuir para reduzir o consumo do plástico a nível nacional, bem como mundial.

O jornalista angolano Sousa Jamba foi também um dos oradores. A sua palestra abordou a contradição da globalização versus o tribalismo/nacionalismo.

A equipe do TEDx São Tomé buscou temas pertinentes que combinassem com o conceito de reevolução. Katya Aragão contou que a oradora Ana Mota foi quem tocou num dos assuntos mais difíceis para os são-tomenses: a educação especial. A palestra de Mota teve uma pergunta como título “Uma criança com necessidades especiais pode contribuir para o desenvolvimento do país?”.

“Este [tema] reevolução é mais no sentido que nós precisamos continuar a evoluir. A nossa primeira reevolução foi quando nos tornamos independentes. Mas parece que ficamos presos no mesmo ciclo. Atingimos a independência que ainda não é bem uma independência, visto que dependemos completamente da ajuda internacional e que muitas das coisas que nós tínhamos no tempo colonial deixamos de ter, ou seja, o nosso nível de vida regrediu”.

Um exemplo que Aragão citou sobre a regressão foi o fato de não haver no país um hospital com boas condições, 43 anos após a independência.

Para saber mais sobre o evento e poder assistir às palestras visite o site http://www.tedxsaotome.com

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati