TEDx São Tomé: organizadores querem cidadãos conscientes que possam fazer parte da mudança

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

14 de outubro de 2018

O tema da quinta edição do TEDx São Tomé deste ano foi reevolução. O programa foi criado para oferecer às comunidades, organizações e indivíduos de São Tomé e Príncipe a oportunidade de promover o diálogo através de experiências TED no país.

Em entrevista à Voz da América, a anfitriã e curadora do evento, Katya Aragão, disse que o objetivo deste ano foi dar um alerta. Chamar a atenção. “Temos que tomar consciência de nós mesmos e fazer algo para mudar o panorama atual”.

O TEDx São Tomé decorreu na Casa das Artes Criação Ambiente Utopia em São Tomé no dia 29 de setembro e contou com 13 oradores que abordaram diversos assuntos, desde a preservação das florestas até os desafios econômicos.

Estrela Matilde, diretora executiva da Fundação Príncipe Trust, falou sobre a desplastificação. Segundo Aragão, Matilde deu exemplos concretos daquilo que ela tem feito para eliminar o plástico do seu dia a dia, além de dar dicas de como cada um de nós pode contribuir para reduzir o consumo do plástico a nível nacional, bem como mundial.

O jornalista angolano Sousa Jamba foi também um dos oradores. A sua palestra abordou a contradição da globalização versus o tribalismo/nacionalismo.

A equipe do TEDx São Tomé buscou temas pertinentes que combinassem com o conceito de reevolução. Katya Aragão contou que a oradora Ana Mota foi quem tocou num dos assuntos mais difíceis para os são-tomenses: a educação especial. A palestra de Mota teve uma pergunta como título “Uma criança com necessidades especiais pode contribuir para o desenvolvimento do país?”.

“Este [tema] reevolução é mais no sentido que nós precisamos continuar a evoluir. A nossa primeira reevolução foi quando nos tornamos independentes. Mas parece que ficamos presos no mesmo ciclo. Atingimos a independência que ainda não é bem uma independência, visto que dependemos completamente da ajuda internacional e que muitas das coisas que nós tínhamos no tempo colonial deixamos de ter, ou seja, o nosso nível de vida regrediu”.

Um exemplo que Aragão citou sobre a regressão foi o fato de não haver no país um hospital com boas condições, 43 anos após a independência.

Para saber mais sobre o evento e poder assistir às palestras visite o site http://www.tedxsaotome.com

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati