Técnico agrícola diz que Movimento dos Sem Terra do Brasil recebe treinamento das FARC

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

31 de março de 2005

Brasil

Um técnico agrícola denunciou para uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Brasil recebeu orientação e treinamento de representantes do movimento armado comunista das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

A CPI, foi organizada pela Assembléia de deputados brasileiros para investigar denúncias de irregularidades no campo e na reforma agrária.

Segundo o técnico, que solicitou proteção à polícia e prefere não se identificar, existe um centro de treinamento de guerrilha do MST em Pernambuco. Recursos financeiros provenientes de ONGs internacionais e do programa brasileiro de reforma agrária do governo federal, teriam sido usados para a construção do centro.

O técnico afirma que um ex-padre colombiano chamado Bernardo estaria a ensinar aos sem-terra táticas guerrilheiras para invasões de propriedades, ocupações de edifícios e saques de caminhões. Como prova ele apresentou fotografias e uma fita de vídeo de 15 minutos, em que aparece o suposto instrutor das FARC a conversar com crianças e adultos. A fita de vídeo foi exibida terça-feira, dia 29 de março, durante o jornal da TV Record, que é um canal de televisão brasileiro.

O denunciante afirma que Bernardo estaria a viver disfarçado como assentado da reforma agrária numa cidade próxima à capital do estado de Pernambuco, Fortaleza. Ele disse:"Para comprovar, é só a polícia ir lá e ouví-lo". De acordo com o técnico, ele participava do MST mas resolveu desligar-se porque começou a discordar do movimento. "Acho que revolução se faz pela educação, não com esses métodos", observou.

Em 2004, um agricultor pertencente ao MST, César Aparecido da Silva, 30 anos, foi preso em Alagoas acusado de porte de arma ilegal e envolvimento com as FARC. A polícia brasileira tinha encontrado na época no assentamento do MST em Maragogi (144 km de Maceió) uma espingarda e quadros com fotos dos guerrilheiros das FARC. Aparecido foi preso e mais tarde solto com o pagamento de fiança.

Fontes