Surto de coronavírus que matou Lucas Trindade em presídio superlotado de Minas poderia ter sido evitado

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Imagem meramente ilustrativa.

5 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O surto de COVID-19 ocorrido no Presídio de Manhumirim poderia ser evitado ou mitigado, conforme apurado pela Agência Pública. O presídio estava lotado com 217 detentos, 75% testaram positivo em 4 de julho, Lucas Morais de Trindade (28 anos) morreu.

"Nenhum presídio é indicado para qualquer tratamento de saúde devido à estrutura precária e aglomeração de pessoas, e o risco de contágio por Covid-19 existente nesta unidade é altíssimo devido a esses fatores", afirma o diretor-geral do presídio, Leonardo Proba.

“O presídio de Manhumirim possui celas completamente inabitáveis, escuras, úmidas, sem entrar ar”, afirmou uma servidora pública que preferiu não divulgar seu nome.

Segundo Renata Elisa Rocha, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) não assinou a transferência dos presidiários. Após o surto, a Apac "deve entrar em funcionamento nas próximas semanas".

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit