Senadora do PSOL disse que tesoureiro do PT agiu com autorização de Lula

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de junho de 2005

Brasil

Em entrevista para  o jornal Folha de São Paulo, a Senadora Heloísa Helena do PSOL disse que o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), Delúbio Soares, acusado de comprar votos para o governo na Câmara de Deputados, agia com o conhecimento e consentimento do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A senadora disse que não ficou surpresa quando tomou conhecimento do "Mensalão" (pagamento mensal dados aos deputados para votarem a favor do governo) porque havia "um grande balcão de negócios sujos". Ela disse que teria denunciado os nomes dos deputados que estariam a receber a propina, caso soubesse quem eram eles.

A senadora disse:Tenho absoluta convicção de que ninguém da cúpula palaciana do PT age isoladamente na montagem dos crimes contra a administração pública. Se Delúbio, Waldomiro e outros, entre aspas, quadros partidários agiam, é porque havia autorização e leniência do presidente Lula. Pelo que eu conheço do PT, não existe atuação individual.

Ao ser perguntada pelo repórter se o presidente Lula teria sido conivente com a situação ela respondeu:" Eu não tenho dúvida. É essencial a CPI, para que seja desvendado o vergonhoso esquema de promiscuidade."

Os integrantes do PT que defendem o governo dizem que o Presidente Lula ouviu falar de boatos, que teriam saído num jornal, sobre uma suposta operação de compra de votos de deputados. Segundo eles, Lula teria solicitado que fosse feita uma averiguação. O Senador Aloízio Mercadante do PT disse que essa investigação não encontrou evidências de forma a corroborar as suspeitas de irregularidades e que por causa disso ela foi desconsiderada pelo governo.

O Ministro-chefe da Coordenação Política e Assuntos Institucionais do governo, Aldo Rebelo, disse que não há uma acusação contra o governo, que não é o alvo da denúncia, e que a denúncia envolve somente o pagamento do PT a outros partidos.

Ver também

Fontes