Senado dos EUA acusa políticos do Reino Unido e da França de aceitar propinas de Saddam Hussein

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

12 de maio de 2005

Uma investigação do Senado dos Estados Unidos da América tem evidências de que dois políticos proeminentes do Reino Unido e da França receberam propinas no valor de milhões de barris de petróleo iraquiano, em troca do apoio ao regime de Saddam Hussein, durante o Programa Petróleo-por-comida das Nações Unidas.

Durante o Programa Petróleo-por-comida, o Iraque pôde vender direitos sobre a comercialização do petróleo a quem se dispusesse a oferecer um preço abaixo do mercado. Essas pessoas então podiam revender os direitos, e por sua vez obter lucro, geralmente um valor entre 3 e 30 centavos de um barril. Esta é a acusação que está a ser feita sob os dois acusados.

O Subcomitê Permanente de Investigações do Senado encontrou documentos da era Hussien que mostram que os dois políticos receberam os direitos para a venda do petróleo. Eles também ouviram de funcionários do antigo regime a confirmação da autenticidade dos documentos.

Um dos acusados é George Galloway, um membro recentemente reeleito do Parlamento Britânico. Ele é acusado de ter recebido alocações no valor de 20 milhões de barris de petróleo. Ele também é acusado de usar a sua fundação de ajuda a crianças com leucemia para esconder a transferência de parte do dinheiro.

Galloway é membro do partido socialista de esquerda Respect fundado em 25 de janeiro de 2004, e que foi contrário à Guerra do Iraque.

O outro acusado é Charles Pasqua, atualmente membro do Senado da França, e que foi Ministro do Interior no passado. O seu nome foi citado em vários escândalos de corrupção dentro da França, embora ele não tenha sido condenado.

O Galloway e Pasqua negaram qualquer envolvimento ilegal no programa de Petróleo-por-comida.

Ver também

Fontes

Atualizado em 20 de junho de 2005 por Carlosar. Acrescentada a categoria "Crise na ONU".. Para maiores informações veja o histórico.