Selic não cairá mais neste ano, apostam analistas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

28 de julho de 2009

Brasília, Distrito Federal, Brasil


O boletim Focus divulgado ontem (27) pelo Banco Central do Brasil mostra que os analistas do mercado financeiro mantiveram a previsão de que não haverá mais cortes na taxa básica de juros, a Selic, neste ano.

A publicação semanal do BC é elaborada com base em projeção de instituições financeiras para os principais indicadores da economia.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduziu os juros básicos de 9,25% ao ano para 8,75% ao ano. Na próxima quinta-feira, o BC divulga a ata da reunião do colegiado, com justificativas para a decisão, indicação da atuação futura e análise do cenário econômico.

Em 2010, os analistas esperam que o Copom aumente a taxa básica, que deve chegar ao fim do ano em 9,25% ao ano. A previsão anterior era 9,38% ao ano.

A Selic serve de referência para outras taxas de juros e é usada pelo BC como uma forma de controle da inflação. Quando os preços estão em alta, o BC aumenta os juros e faz o inverso quando a inflação está em baixa e há necessidade de estimular a atividade econômica. Neste ano, os juros básicos já foram reduzidos em 5 pontos percentuais.

Cabe ao BC perseguir a meta de inflação fixada pelo Conselho Monetário Nacional, formado pelos ministros da Fazenda e do Planejamento e pelo presidente do Banco Central. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi o escolhido pelo governo para a meta.

Na projeção dos analistas, o IPCA deve chegar ao final do ano em 4,53%, a mesma estimativa da semana anterior. Esse percentual para o IPCA está um pouco acima do centro da meta de 4,5%.

Entretanto, a meta, válida para este ano e o próximo, tem margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, o limite inferior é de 2,5% e o superior é de 6,5%. Para 2010, a estimativa para o IPCA passou de 4,41% para 4,40%.

A previsão para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) em 2009 caiu de 0,90% para 0,50%. A estimativa para o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) também está em queda: passou 0,44% para 0,30%, neste ano.

Para o Índice de Preço ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), a estimativa passou de 4,11% para 4,16%. Para 2010, as projeções para os três índices foram mantidas em 4,5%.

A estimativa para os preços administrados foi mantida em 4,30% neste ano. Para 2010, a projeção foi ajustada de 3,80% para 3,72%. Os preços administrados referem-se aos valores cobrados por serviços monitorados (combustíveis, energia elétrica, telefonia, medicamentos, água, educação, saneamento, transporte urbano coletivo e outros).

Fonte


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati