Síria: Múltiplos reveres para Estado Islâmico

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Veículos Humvee das Unidades de Proteção Popular (YPG) directo à Batalha de al-Hol

21 de fevereiro de 2016

A organização Estado Islâmico (EI ou Daesh por seu acrónimo em árabe) sofreu grandes reveses nos últimos dias em vários teatros onde actua, principalmente, na Síria.

Em 17 de fevereiro, as Forças Democráticas da Síria (FDS) lançou uma ofensiva na governadoria Hasaka meridional (no nordeste da Síria). Esta coligação consiste principalmente do curdo Unidades de Proteção Popular (UPP, sigla em curdo: YPG), mas também de combatentes e rebeldes tribais árabes e uma milícia cristã. Apenas três dias depois e graças a ataques aéreos norte-americanos, os combatentes conquistaram do Estado Islâmico (EI) grandes áreas da província, incluindo seu reduto regional de Al-Chaddadeh, dezenas de aldeias e recursos energéticos. A rota mais direta entre a oferta Raqqa e Mosul, as duas principais cidades sob o controlo do EI, também foi cortada. Cerca de 163 jihadistas foram mortos na ofensiva, contra onze combatentes da FDS. Alguns 40 civis também foram vítimas do bombardeio.

Enquanto isso, o Exército Árabe Sírio (o Exército sírio) do presidente Bashar al-Assad avançam em duas frentes, no noroeste do país, com a ajuda da aviação russa. Em primeiro lugar, a leste da cidade de Aleppo, o Exército sírio retomou áreas vastas e conseguiu cercar os jihadistas do Estado Islâmico em um bolso no Nordeste de Sfireh, e prossegue para a cidade al-Bab. Quase 50 combatentes EI foram mortos em um único dia, 21 de fevereiro. Da mesma forma, mais ao sul, o Exército sírio lançou em 11 de fevereiro uma nova ofensiva para retomar a estrada estratégica que une Ithriyah até Racca. O exército tomou desde várias aldeias e pontos estratégicos no deserto, avançando para o Tabqa, a base aérea que perdeu em agosto de 2014. Se ele pudesse retomar, EI poderá ter o último corte área controlada no norte da Síria e portanto, a sua fonte de alimentação final através da fronteira com a Turquia.

Contratempos no lado iraquiano[editar]

No Iraque, o Exército Iraquiano (o Exército do país), do governo e suas milícias aliadas finalmente retomaram Ramadi, capital da província de Anbar, no dia 9 de fevereiro. O próximo alvo parece ser perto Fallujah, a segunda cidade da província e o primeiro a ser escapado sob o controlo da EI. O Exército iraquiano conseguiu seus últimos meses para apertar o cerco que impõe à cidade, tomando as localidades vizinhas. Em 19 de Fevereiro, uma revolta tribal eclodiu na cidade, presumivelmente depois que uma mulher havia sido espancada pela polícia da EI por não cobrir as suas mãos. Outras fontes sugerem sim a falta de alimentos devido ao bloqueio imposto pelas autoridades iraquianas e a distribuição discriminatória de reservas por EI como uma das causas da revolta. Os combates em seguida concentrada em dois bairros na periferia da cidade e no centro da cidade antes da EI recuperar totalmente em 21 de fevereiro, em especial, na sequência da detenção de cerca de 200 pessoas. Apesar de alguns ataques de apoio do Exército iraquiano, os vários grupos tribais parecem ter conseguido a ajuda que eles pediram ao Maior Geral, este último acreditando que revolta como "menor".

Notícia Relacionada[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati