Rússia: 959 tropas ucranianas se rendem em Mariupol

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

18 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Ministério da Defesa da Rússia disse na quarta-feira que 959 soldados ucranianos se renderam esta semana no último reduto na cidade portuária sitiada de Mariupol.

Um porta-voz do ministério disse a repórteres que o número inclui 694 que se renderam nas últimas 24 horas.

Autoridades ucranianas não confirmaram os números. A vice-ministra da Defesa ucraniana, Anna Malyar, disse na segunda-feira que mais de 260 combatentes deixaram as ruínas da siderúrgica Azovstal e se entregaram às forças russas, de acordo com os números fornecidos pela Rússia.

A Rússia chamou a operação de rendição em massa. Os ucranianos, em contraste, disseram que sua guarnição completou sua missão.

“O objetivo era que nossos caras, que defendem heroicamente a cidade e restringem o inimigo diretamente em Mariupol, não permitissem que eles passassem por Mariupol”, disse o prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, ao Serviço Ucraniano da VOA. “Ou seja, eles salvaram a nação, permitiram que as Forças Armadas da Ucrânia se preparassem e outras cidades estivessem mais preparadas para essa terrível guerra que já ocorreu na Ucrânia.”

Não ficou claro o que aconteceria com os combatentes ucranianos. Um oficial russo lançou dúvidas sobre uma troca de prisioneiros em grande escala.

A captura de Mariupol, uma cidade pré-guerra de 430.000 pessoas ao longo da costa norte do Mar de Azov, seria o maior sucesso de Moscou em sua ofensiva de quase três meses contra a Ucrânia.

Mas a Rússia está lutando para capturar mais território no leste da Ucrânia e não conseguiu derrubar o governo do presidente Volodymyr Zelenskyy ou tomar a capital, Kiev.

Um alto funcionário do Departamento de Defesa dos EUA disse na quarta-feira que a Rússia está fazendo algum "progresso incremental na direção do Mar Negro" perto de Kherson e Mikolayiv, bem como em Donetsk.

Mas o progresso russo em geral é “bastante limitado… alguns quilômetros, talvez todos os dias”, disse a autoridade, acrescentando que as ofensivas de Moscou estão se tornando menores e mais localizadas.

O funcionário disse que os problemas logísticos russos permanecem: “Eles não corrigiram seus problemas de coordenação. … Suas comunicações ainda não são muito eficientes entre os comandantes.”

Sob constante bombardeio russo, que a Ucrânia estima ter matado 20.000 civis em Mariupol, grande parte da cidade foi reduzida a escombros. O que resta dele está situado entre o continente russo e a Península da Criméia, que a Rússia apreendeu da Ucrânia em 2014.

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, disse a repórteres na terça-feira que é “difícil saber” o que significa o fim das operações de combate em Mariupol.

“Falamos há muito tempo sobre a importância de Mariupol como um importante porto econômico no Mar de Azov e também geograficamente relevante para os combates no leste”, disse Kirby.

Ele acrescentou que a Rússia tem uma intenção clara “de cercar e ocupar o Donbas e a parte oriental do país”, mas que “não conseguiram isso.”

Fontes