Probióticos: conheça as bactérias que trabalham para promover a saúde do nosso corpo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Brasil de Fato

Você já deve ter ouvido falar nas "bactérias do bem". A questão vem à tona quando se trata da ação dos probióticos no nosso intestino.

Essas bactérias que nos ajudam travam uma verdadeira batalha contra alguns micro-organismos causadores das mais diferentes doenças.

Mas os benefícios desses microscópicos seres abrangem diversas partes do nosso corpo. Mais especificamente nas nossas mucosas, como explica a nutricionista clínica, esportiva e estética, Graziele Dias de Carvalho.

“Por que eles agem na microbiota. A nossa microbiota pode-se dizer que é a nossa mucosa, nossa flora intestinal, mas não só a intestinal, toda a mucosa do organismo do nosso corpo, da boca, estômago, respiratória, vaginal, intestino, abrange toda essa mucosa, os probióticos vão agindo”, detalha.

Podemos dizer, então, que temos um verdadeiro exército protegendo as defesas do nosso corpo. E como em uma guerra, a estratégia também está presente na ação dessas bactérias. Graziele diz que os probióticos são de vários tipos e cada um desenvolve uma função diferente.

“São cepas específicas que a gente utiliza. Então, quando está ligada a uma rinite alérgica é um tipo de cepa, ligado a uma queixa de diarreia é outra. Então, os probióticos são bactérias benéficas, que vão atuar junto com as patogênicas, que a gente quer o que? Dar uma reduzida nessa população de bactérias patogênicas para que nosso organismo funcione da melhor forma possível”, explica.

Mas para que todo esse maravilhoso trabalho continue sendo feito de maneira eficaz, esse exército do bem necessita de cuidados. Alguns hábitos podem diminuir a quantidade dessas bactérias desejáveis no nosso organismo.

“Com uma alimentação desregrada, excesso de alimentos industrializados, baixa atividade física, estresse, estamos em pandemia e ficar em isolamento pode ser algo muito estressante, então reduzindo a nossa população de bactérias benéficas”, analisa.

A nutricionista explica ainda que o uso de antibióticos também contribui para a morte desses micro-organismos. Esse tipo de medicação não faz distinção entre as bactérias patogênicas e os probióticos.

Por outro lado, a boa notícia é que é possível repor os probióticos com alguns alimentos como iogurtes, kefir, coalhada e kombucha.

Açaí é fonte probiótica?

Um estudo da Universidade Federal do Pará mostrou que o açaí também pode ter bactérias com alto potencial probiótico. A nutricionista e doutora em Biotecnologia Suenne Sato é uma das pesquisadoras envolvidas na pesquisa. Ela relata que o grupo de pesquisadores está testando o comportamento das bactérias do açaí dentro do nosso organismo.

“Outro teste que nós fizemos para avaliar a funcionalidade dessas bactérias do açaí, foi avaliar se elas apresentavam a capacidade de inibir outras bactérias, que são chamadas de bactérias patogênicas, que são aquelas bactérias que tem o potencial de causar doenças nos seres humanos. Nós fizemos esse teste in vitro e também verificamos que praticamente todas as bactérias conseguiram inibir o crescimento dessas patogênicas”, diz.

Suenne alerta que consumir o açaí in natura pode não garantir a quantidade suficiente de bactérias com a ação probiótica. Por isso, um dos objetivos do estudo é justamente poder oferecer para a população probióticos em cápsulas com uma variante amazônica.

A pesquisadora também lembra que a pesquisa ainda não está finalizada, ainda é preciso fazer mais testes com essas bactérias.

Fonte[editar]



Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com