Primeira missão espacial financiada pelo governo da Nova Zelândia prevista para o próximo ano

20 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A primeira missão espacial financiada pelo governo da Nova Zelândia, destinada a ajudar a reduzir as emissões globais de metano, deve estar pronta para lançamento no próximo ano. O satélite conjunto Nova Zelândia-EUA visa ajudar com uma questão-chave da mudança climática, identificando vazamentos de gás metano de empresas de petróleo e gás, bem como da agricultura. Especialistas estão se reunindo na sexta-feira em Auckland para discutir o ambicioso projeto.

A espaçonave chamada MethaneSAT foi projetada para mapear as emissões de metano, um gás de aquecimento global muito mais potente do que o dióxido de carbono. O metano é produzido quando os seres vivos morrem e se decompõem, e também está presente no gás natural.

O novo satélite é uma colaboração entre a Nova Zelândia e os Estados Unidos.

Possui câmeras sofisticadas capazes de detectar emissões de, por exemplo, oleodutos e gasodutos e agricultura industrial.

Chris Jackson, diretor de operações de controle de missão da Universidade de Auckland, disse que terá um amplo alcance.

“A própria espaçonave tem um sensor único a bordo, sendo capaz de detectar, digamos, as emissões globais”, disse Jackson. “Você sabe, é uma espaçonave em órbita baixa da Terra. Ele verá toda a Terra fundamentalmente todos os dias. Teremos a oportunidade de visualizar qualquer fonte potencial de vazamentos de metano em todo o mundo e não precisamos ter permissão para sobrevoar certos territórios ou algo assim. Podemos realmente ver o que está acontecendo e fornecer essas informações para organizações globais que podem combatê-lo.”

Outros satélites já estão monitorando as emissões de metano, mas autoridades da Nova Zelândia dizem que sua nave terá “precisão sem precedentes.”

O MethaneSAT está sendo construído nos Estados Unidos, onde deverá ser lançado no próximo ano em uma órbita de cerca de 600 quilômetros acima da Terra.

Os dados da missão serão enviados ao Fundo de Defesa Ambiental, um grupo de defesa com sede em Nova York.

O grupo está trabalhando com cientistas da Universidade de Harvard, onde as técnicas de detecção de metano foram desenvolvidas.

Fontes