Presidente do Partido dos Trabalhadores nega envolvimento em escândalo dos Correios

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

30 de maio de 2005

Brasil — Segundo a Agência Brasil o presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), José Genoino, divulgou hoje uma nota oficial em que nega a influência do partido sobre negócios ou licitações em empresas estatais, incluindo a empresa de Correios.

Parte da nota diz: "O PT rebate e repudia as acusações veiculadas nas referidas reportagens de que tenha influenciado negócios ou licitações em empresas estatais com empresas privadas. Tais inverdades, criminosas e irresponsáveis, além de buscar prejudicar deliberadamente o PT e o governo, só podem orientar-se por objetivos inconfessáveis".

Dias atrás foi liberada uma gravação de vídeo que mostrava o ex-chefe do Departamento de Contratação e Administração de Material dos Correios, Maurício Marinho, numa suposta negociação de propina. Na fita ele supostamente deu indicícios de que o deputado Roberto Jefferson, do partido Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) que apóia o governo, teria ligações com o suposto esquema de corrupção.

Na fita, que foi veinculada por vários telejornais brasileiros, Marinho enfia no bolso um maço de dinheiro, supostamente um adiantamento da propina, no valor de R$3 mil. Mais tarde Marinho teria dito que o que falou na gravação foram somente "bravatas" e que o dinheiro não era de propina. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) emitiu nota negando a existência de qualquer irregularidade na empresa.

O Congresso Nacional do Brasil criou uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar o suposto escândalo.

Ver também

Fontes