Presidente Mexicano Recém Eleito Quer Plano de Segurança Pública

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Este artigo ou seção precisa ser wikificado.
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo. (janeiro de 2019)
  • Everton dos Santos Bertucchi. [periódico mexicano Presidente Mexicano Recém Eleito Quer Plano de Segurança Pública]Revista, Janeiro 1, 2019

A transformação que busca o próximo governo do presidente novo do México, Andrés Manuel López Obrador é radical: eliminar o caráter civil que historicamente tem o âmbito federal no México, entregar ao exército que está abaixo das ordens do presidente.

Sua proposta de criar uma Guarda Nacional por modificações na constituição passa por cima do Supremo Tribunal Federal.

O ,Plano Nacional de Paz e Segurança Pública Federal, abre mão do caráter civil da segurança e entrega o poder de decisão para as Forças Armadas na interpretação da constituição.


Diante de várias criticas a proposta, Alejandro Gertz Maneiro, ex titular da Secretaria de Segurança Pública Federal e um dos autores do plano nega que está pavimentando o caminho para militarização: “Claro que não. Primeiro porque as circunstâncias não permitem e o país não quer está experiência. Só se utilizará as unidades das Forças Armadas que estão preparadas para trabalho policiais, que são a Polícia Militar e Naval” disse em entrevista.


Um especialista em segurança pública, Erubiel Tirado, assegura: As proposta de López Obrador apontam um empoderamento militar com uma visão que não vai mudar a priori a idéia fundamental, que o mando civil da segurança pública é do Presidente. Mas diz “As justificativas das ditaduras latino-americanas foi que era mais sensato militarizar os civis, como está sendo presenciado no México, que civilizar os militares”.