Prefeitura de São Vicente confirma morte de bebê indígena por gripe suína

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

14 de agosto de 2009

Brasil

Notícias relacionadas
Pessoas na Cidade do México vestindo máscaras em um trêm pelo vírus H1N1
Mais informações sobre a Gripe:


A prefeitura de São Vicente, no litoral de São Paulo, confirmou a morte causada pelo vírus Influenza H1N1 de um bebê de 3 meses na aldeia Xixová - Japuí, na Reserva de Paranapuã. A criança morreu no último dia 7, depois de quatro dias internada no Hospital Guilherme Álvaro, em Santos, referência para o tratamento da influenza A (H1N1) – a gripe suína – na região. Segundo a prefeitura, exame realizado no Instituto Adolfo Lutz confirmou que o bebê estava infectado pelo vírus.

Como medida de segurança para evitar novos contágios, a Fundação Nacional do Índio (Funai) suspendeu temporariamente todos os pedidos de entrada em terras indígenas brasileiras. Também foi recomendado que os índios não saiam das aldeias para ir a cidades ou a outras tribos. A fundação, no entanto, ainda não recebeu o resultado do exame do bebê indígena.

De acordo com a prefeitura de São Vicente, a mãe da criança, de 32 anos, ficou internada até ontem (13) com pneumonia, mas já foi liberada porque não foi confirmada a contaminação pelo vírus da gripe. Mais quatro índios da mesma aldeia estão sendo monitorados pela Vigilância Epidemiológica de São Vicente por apresentarem os sintomas da doença.

Segundo a prefeitura, ainda não é possível saber como o bebê foi contaminado. Os indígenas dessa tribo têm contato com outros povos porque rondam a cidade vendendo artesanato e também visitando outras aldeias da região, como Mongaguá e Bertioga.

Esse é o segundo caso de morte provocada pelo vírus Influenza H1N1 em aldeias indígenas. Segundo a Funai, o primeiro caso aconteceu na aldeia Kaigang, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. A vítima era um homem que também tinha contato com outros povos e vivia acampado nos arredores da região para vender artesanato.

Veja mais notícias

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com