Placar na Praia de Copacabana mostra números da violência no estado do Rio de Janeiro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

15 de agosto de 2009

Brasil


Um placar instalado na Praia de Copacabana, na zona sul do Rio de janeiro, expõe ao público, desde a madrugada de hoje (15), os principais índices da violência no estado. O placar, montado pela organização não governamental Rio de Paz, mostra o número acumulado das ocorrências criminais de janeiro de 2007 a maio deste ano, com base nas estatísticas oficiais do governo do estado.

Quem passa pelo calçadão de Copacabana pode ver, no chamado Placar da Violência, o total de homicídios ocorridos no estado no período (14.609) ou o número de pessoas mortas supostamente em confronto com a polícia, os chamados autos de resistência (2.921).

Segundo o diretor da ONG Rio de Paz, Antonio Carlos Costa, o objetivo do Placar da Violência é de divulgar as informações para a população:


Cquote1.png

Numa democracia, a transparência é regra. O segredo é exceção. Então, informar à sociedade sobre os números relativos às mortes violentas registradas representa uma forma de auxiliar a população a formar sua visão crítica sobre o êxito, ou não, das políticas de segurança voltadas à redução dos assassinatos em nosso território.

Cquote2.svg
Antônio Carlos Costa




A ideia era montar o placar há três semanas, mas só agora a prefeitura do Rio de janeiro autorizou a sua instalação do na areia da Praia de Copacabana. Segundo Costa, o placar será mantido no local enquanto a prefeitura autorizar ou até o momento em que os índices de violência forem reduzidos no estado.

O Placar da Violência foi instalado nas proximidades da Avenida Princesa Isabel e mostra ainda os números de lesões corporais (181.062), de policiais mortos em serviço (70) e o acumulado de ocorrências de pessoas desaparecidas (11.990).

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati