Pentágono correndo para se manter à frente da China em inteligência artificial

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cérebro de Ficção Artificial

17 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A corrida autodescrita do Pentágono para montar um plano mais eficaz para enfrentar e conter a ascensão da China pode ter acabado, mas a corrida para ficar à frente dos avanços agressivos de Pequim em Inteligência artificial está longe de terminar.

Essa corrida inicial culminou em junho, meses depois que a Força-Tarefa da China do Departamento de Defesa dos EUA recomendou uma série de mudanças estruturais internas para garantir que as ameaças militares chinesas em potencial não passem despercebidas ou fiquem sem resposta.

Outras iniciativas importantes permaneceram confidenciais, embora o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, esteja deixando claro que manter o domínio dos EUA em inteligência artificial, ou IA, será fundamental.

“No reino da IA, como em muitos outros, entendemos que a China é o nosso desafio”, disse Austin em uma conferência em Washington na terça-feira.

"Pequim já fala sobre o uso de IA para uma série de missões, de vigilância a ataques cibernéticos e armas autônomas", disse ele. “Os líderes da China deixaram claro que pretendem ser globalmente dominantes em IA até o ano de 2030.”

Durante anos, as autoridades americanas advertiram que a IA, um termo usado para descrever o pensamento e o comportamento inteligente demonstrado pelos computadores, pode se tornar tão importante no campo de batalha quanto qualquer armamento de alta tecnologia.

E recentes avaliações de inteligência soaram alarmes de que, cada vez mais, os EUA estão enfrentando "um campo de jogo mais nivelado", com a China fazendo o máximo para fechar a lacuna.

Em se tratando de IA, em particular, Austin alertou que os EUA não podem se dar ao luxo de perder mais terreno.

“É uma capacidade que esse departamento precisa desenvolver ainda mais com urgência”, disse ele. “A IA é central em nossa agenda de inovação, ajudando-nos a computar mais rápido, compartilhar melhor e aproveitar outras plataformas ... Isso é fundamental para as lutas do futuro. "

No entanto, embora seja fundamental manter a vantagem tecnológica dos Estados Unidos, Austin disse, a maneira como os militares e o país mantêm a superioridade ao enfrentar a China será igualmente importante.

"Nosso uso de IA deve reforçar nossos valores democráticos, proteger nossos direitos, garantir nossa segurança e defender nossa privacidade", disse ele.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit