Patrocinadores pressionam Haas a romper contrato com Mazepin após vídeo de abuso sexual

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O caso de abuso sexual envolvendo o piloto de automóveis russo Nikita Mazepin faz com que patrocinadores pressionem a equipe Haas F1 Team pela ruptura do contrato com o mesmo. O piloto de 21 anos foi contratado para ser um dos titulares do time norte-americano no grid do Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2021.

Mazepin é pivô de uma polêmica desde o último dia 8, quando publicou um vídeo nos stories do Instagram abusando de uma modelo. Na postagem, o russo apalpa o seio da mulher que ficou visível depois de a alça do vestido escorregar. Ela reagiu tentando afastar a mão do piloto e mostrando o dedo médio. Após a repercussão extremamente negativa da situação, a equipe norte-americana denominou o episódio como “abominável” e garantiu que resolveria internamente.

No entanto, os patrocinadores da Haas já se manifestaram contra Mazepin, informando Gene Haas e Guenther Steiner, que, caso mantenham o russo na equipe, não mais receberão investimento. Pietro Fittipaldi, piloto reserva do time e substituto de Romain Grosjean nos dois últimos Grandes Prêmios de 2020, seria uma das opções por já trabalhar na equipe, porém a demissão de Mazepin obrigaria a Haas a retornar ao mercado e procurar por um piloto que trouxese consigo valor considerável em patrocínio. Estima-se que, ao assinar o acordo, Mazepin tenha levado em torno de US$ 40 milhões que são fundamentais para a sobrevivência da escuderia.

Meses atrás, logo após confirmar as saídas de Romain Grosjean e Kevin Magnussen, o chefe de equipe Guenther Steiner chegou a mencionar 10 possíveis candidatos para as vagas da Haas em 2021.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit