Para combate à fome, diretor do Programa Mundial de Alimentos da ONU visita Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Brasil de Fato

O diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA) da Organização das Nações Unidas (ONU), David Beasley aterrissou, no último domingo (18), em Caracas, para uma visita de trabalho.

O governo bolivariano afirma que serão assinados novos acordos com o organismo multilateral para combater a fome e a desnutrição no país.

O PMA é a maior agência humanitária de combate à fome no mundo, criado em 1961, para criar políticas e ajudar a descentralizar recursos no combate à insegurança alimentar.

Durante a última década, a Venezuela conseguiu diminuir o índice de desnutrição de 13,5% para 2,5%, criando uma série de programas sociais, como as Casas de Alimentação. Na época, o país chegou a ser reconhecido pela ONU pelo combate à fome.

No entanto, nos últimos seis anos de bloqueio, que gerou uma redução de 60% do PIB e 99% da arrecadação do Estado, a condição de vida dos venezuelanos piorou gradativamente.

Em 2013, a Venezuela foi o segundo país latino-americano com maior taxa de obesidade, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Em fevereiro de 2020, de acordo com uma pesquisa opinião, realizada pelo PMA, 60% dos venezuelanos tiveram que diminuir a quantidade de refeições diárias e 9,3 milhões, quase um terço da população, vive em situação de insegurança alimentar.

O presidente Nicolás Maduro afirmou que o funcionário da ONU também irá conhecer o funcionamento dos Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP), criado em 2017, para combater a especulação de preços da cesta básica alimentar.

Em 2018, o Executivo criou a plataforma Patria para distribuir bônus e agrupar os programas sociais do Estado. Em pouco mais de dois anos, já são 21 milhões de inscritos no sistema, que recebem algum tipo de auxílio financeiro mensal.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit