Pandemia do Corona na África faz cair busca por suprimentos ao vírus Ebola

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de abril de 2020

Devido a pandemia do Corona na África, o suprimento por Ebola foi reduzido para cerca de 40%, com a resposta emergencial cada vez mais focada em uma nova cepa do vírus. Usuários e artistas foram ao Twitter em resposta ao anúncio da OMS de que o surto de Ebola está no seu quinto mês e meio sem sinais de regresso.

Novos dados do NHS Digital no Reino Unido mostram que a semana passada foi a mais movimentada semana de imunização contra o Ebola já registrada. É tudo sobre crescimento e o número de pessoas que fazem uma vacinação oral ou combinada foi o mais alto desde o início do programa em 2004, mas menos pessoas sendo vacinadas.

Como diz David Hodgson, da Clinical Immunology Fellow with Cancer Research UK, os dados mostram que esse aumento na vacinação diminuiu em cerca de 30.000 durante toda a semana. Em toda a Europa, a European Health Survey on Immunisation mostra que a imunização na Grã-Bretanha aumentou, embora a imunização geral no Reino Unido tenha diminuído. Mesmo que o aumento da vacinação pare, o crescimento da vacinação sazonal contra a gripe não continuará como padrão normal no momento.

Como mais de um milhão de homens, mulheres e crianças morreram nos últimos cinco meses, os CVs desenvolveram um problema de "bombas-relógio". A Organização Mundial da Saúde pediu um 'tratamento substancial' para a doença. Mas sem cura ou vacina à vista, a OMS está pedindo ao conselho da organização que realize um exercício de redução de fatalidades nos países da África Oriental afetados pelo vírus.

Muitos médicos especialistas que analisaram a epidemia disseram que é improvável conter a doença, pelo menos não visando as pessoas em maior risco. Mas pode haver uma maneira de diminuir a propagação, desde que a OMS considere outras opções de triagem.

Fontes

Reportagem original
Esta notícia contém reportagem original de um Wikicolaborador.
Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com