Pacientes lotam pronto-socorro de hospital em Brasília com suspeita de nova gripe

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

31 de julho de 2009

Brasil

Notícias relacionadas
Pessoas na Cidade do México vestindo máscaras em um trêm pelo vírus H1N1
Mais informações sobre a Gripe:


O crescente número de casos confirmados de influenza A (H1N1) no Brasil também tem assustado os brasilienses que têm congestionado os hospitais públicos do distrito.

O Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), um dos maiores da capital federal, chegou a atender ontem (30) cerca de 90 pacientes na ala especial destinada às pessoas com suspeita da nova gripe. Antes do primeiro caso da doença ser confirmado, o número de atendidos diariamente na unidade de saúde chegava a dez. Segundo o hospital, a grande demanda de pacientes também aumenta o tempo na fila de espera, que pode chegar a sete horas, em alguns casos.

Para o gerente de diagnóstico e terapia do HRAN, Gilson Bonomi, a situação reflete a insegurança da população quanto à influenza (H1N1).


Cquote1.png

Em casos de sintomas gripais, casa pessoa deve procurar o posto de saúde mais próximo de sua casa. E isso não está acontecendo.

Cquote2.svg
Gilson Bonomi




Segundo o médico, o hospital deve ser procurado por pessoas que, além de apresentar os sintomas da gripe comum, sofrem também com a dispneia (falta de ar) e crises de vômitos.

Entretanto, para os pacientes, o fato de os hospitais serem mais bem equipados que os postos de saúde pesa na hora de decidir a qual local recorrer.

“Vim direto para cá porque acredito que posso ser atendida com maior eficiência. Conheço pessoas que foram ao posto de saúde mas que não conseguiram resolver muita coisa e que depois acabaram indo para os hospitais”, disse a atendente escolar Marília Batista. Há três dias com os sintomas da gripe comum, ela conta que foi orientada pela direção da escola onde trabalha a procurar ajuda médica e tratamento antes de retornar ao serviço. “Sendo atendida no hospital acho que posso voltar mais rápido para o trabalho.”

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com