Oposição reage contra a decisão da CCJ do Senado ao aquivar acusações contra Sarney

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

20 de agosto de 2009

Brasília, Distrito Federal, Brasil


Um dia depois de arquivados pelo Conselho de Ética todos os pedidos de abertura de investigações contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), senadores iniciam a segunda etapa da estratégia já prevista de não encerrar o assunto a partir da decisão do colegiado. Mesmo antes do senador José Nery (PSOL), formalizar recurso para que o plenário do Senado vote a decisão do conselho, a guerra regimental sobre o tema já está posta.

O senador Wellington Salgado (PMDB-MG), aliado de primeira hora do presidente do Senado, fez duras críticas à iniciativa de se apresentar recurso ao plenário. Segundo ele, o senador José Nery e os demais que assinaram o requerimento “tem interesses próprios” e não se preocupam em manter o desgaste do Senado perante à opinião pública.

Salgado argumenta que, em 2007, os parlamentares do Conselho de Ética alteraram a regra que permitia levar ao plenário da Casa uma decisão tomada pelo colegiado. “Recurso ao plenário da Casa cabe para resoluções, projetos de lei e outras matérias legislativas, não para uma decisão do Conselho de Ética”, defendeu o peemedebista.

O vice-líder do PSDB, Álvaro Dias (PR), reconhece que o ato do colega do P-SOL tem caráter “muito mais político que regimental”. Ontem (19), o parlamentar chegou a publicar em sua página no Twitter que tinha em mãos parecer da consultoria jurídica do Senado mostrando que o recurso é legalmente cabível.

Já o senador Renato Casagrande (ES) defende a legalidade do recurso. Ele destacou que esse “embate regimental” era esperado. Casagrande disse, ainda, que o raciocínio feito pelo peemedebista não procede uma vez que todas as decisões, em última instância, devem ser ratificadas pelo plenário.

O P-SOL protocolou na Mesa Diretora do Senado recurso, assinado por dez senadores, inclusive de outros partidos, em que pede que o plenário da Casa reveja a decisão tomada ontem (19) pelo Conselho de Ética que confirmou o arquivamento das quatro representações apresentadas contra Sarney.

No documento, os senadores alegam que a decisão de rejeitar os recursos contra o arquivamento das representações deve ter “imediata e completa correção”. No entanto, ainda há dúvidas se o regimento interno prevê tal procedimento.

“As razões expostas nas representações e no recurso contra o arquivamento demonstram claramente a impropriedade e injuridicidade da decisão do conselho, de não permitir a instauração do devido processo disciplinar, ou sequer a investigação dos fatos narrados”, diz trecho do recurso.

Os senadores sustentam, ainda, que o pedido é legítimo, baseado no princípio do contraditório e no duplo grau de jurisdição.

Assinam o recurso os senadores José Nery (P-SOL-PA), Cristovam Buarque (PDT-DF), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Renato Casagrande (PSB-ES), Jefferson Praia (PDT-AM), Demóstenes Torres (DEM-GO), Marina Silva (sem-partido-AC), Flávio Arns (sem-partido-PR), Pedro Simon (PMDB-RS) Álvaro Dias (PSDB-PR) e Kátia Abreu (DEM-TO).

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati