Operação Sufrágio Sertanejo: PF cumpre mandados de prisão por crimes eleitorais na Região dos Lagos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

19 de outubro de 2016

A Polícia Federal (PF) realizou ontem (18) uma operação para cumprir cinco mandados de prisão por suspeita de crimes eleitorais nas cidades de Saquarema e Cabo Frio, na Região dos Lagos fluminense. Segundo a PF, o objetivo é “desarticular grupos criminosos que exerciam cargos políticos ou disputavam eleições para prefeito e vereador”.

Além dos mandados de prisão, estão sendo cumpridos sete mandados de condução coercitiva, que é quando a polícia leva uma testemunha para depor na delegacia. Os mandados foram expedidos pela 62ª Zona Eleitoral (Saquarema). Também está sendo investigado um líder religioso que teria aceitado dinheiro com a finalidade de fazer campanha durante ato religioso. A operação se chama Sufrágio Sertanejo.

As investigações indicavam que os políticos ocupavam cargos públicos na base do conhecido “coronelismo”, isto é, captando votos em troca de benefícios irregulares. Os investigados realizavam boca de urna e comprovavam votos em troca da distribuição de bens, como medicamentos e combustível para veículos. Além disso, médicos estão no alvo da PF por fornecer atestados e receitas controladas em branco. O chefe da Delegacia de Polícia Federal de Niterói, Elias Escobar, detalhou as investigações.

Resultados

A Polícia Federal (PF) prendeu quatro vereadores e um candidato a prefeito de Saquarema, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro: o presidente da Câmara, Romacart Azeredo de Souza, o vice-presidente, Vanildo Siqueira da Silva, os vereadores Paulo Renato Teixeira Ribeiro e Guilherme Ferreira de Oliveira, conhecido como Pitiquinho, e o pai dele, Hamilton Nunes de Oliveira, o Pitico, candidato derrotado nas eleições municipais deste ano. No total, foram cinco mandados de prisão, além de sete de condução coercitiva expedidos pela 62ª Zona Eleitoral de Saquarema.

“Nossos trabalhos começaram em meados de setembro, mais precisamente no dia 13 do mesmo mês, quando fomos acionados pelo Ministério Público (MP) de Saquarema que já tinha várias denúncias de irregularidades nesse âmbito. A partir do momento em que o MP não teve mais recursos para tocar as investigações, a gente passou a participar e constatamos que esse grupo já estava em uma velocidade incrível em suas ações criminosas. Tanto é que eram diversos crimes já cometidos, como associação criminosa, corrupção eleitoral, transporte irregular, fornecimento de atestado médico falso e fornecimento de receituários médicos controlados pela Anvisa [a Agência Nacional de Vigilância Sanitária]. Todos responderão por esses crimes e podem pegar uma pena bastante dura, se somados todos os crimes”, disse.

Segundo o coordenador da operação e também delegado da PF, Daniel França, há ainda um pastor de Saquarema que estava recebendo um dos políticos para acertar encontros com os fiéis durante os cultos realizados na igreja. “E nisso ele aproveitava para se aproximar dos fiéis. O plano era definir os detalhes com esse líder religioso e, posteriormente, ir até um culto para ter um contato com os frequentadores da igreja onde ele, provavelmente, ofereceria benefícios irregulares em troca de votos”. O pastor, até a manhã desta terça, ainda não havia sido encontrado por ter alguns homônimos na região, segundo o delegado.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati